Papa demonstrou preocupação quanto à situação de cristãos

Papa fez um apelo para que se respeite "o direito a uma vida digna e a professar livremente a própria fé"

Cidade do Vaticano – O papa Francisco declarou nesta quinta-feira que “não irá descansar” enquanto houver “homens e mulheres, de qualquer religião, atacados em sua dignidade, privados do necessário para sua sobrevivência, de quem roubaram o futuro e foram obrigados a se refugiar ou foragir”.

Assim expressou hoje ao receber os representantes da Assembleia Plenária da Congregação da Igrejas Orientais, reunida no Vaticano nos últimos dias.

Em seu discurso, o papa também demonstrou “grande preocupação” quanto à situação dos cristãos em várias regiões do Oriente Médio.

O papa argentino lembrou como os cristãos que vivem nessa região sofrem “de maneira particularmente dura as consequências das tensões e dos conflitos” na região, onde “Síria, Iraque, Egito e a Terra Santa se desfazem em lágrimas”.

Jorge Bergoglio pediu a seus interlocutores que não se resignem a pensar em um “Oriente Médio sem cristãos, que há 2 mil anos participam da vida social, cultural e religiosa das nações às quais pertencem”.

Além disso, fez um apelo para que na região se respeite “o direito a uma vida digna e a professar livremente a própria fé”.

O pontífice argentino rezou para levar a paz às áreas em conflito, pois “a oração desarma a ignorância e gera o diálogo”.