Papa admira fé da mãe de jornalista morto pelo EI

O papa expressou "sua proximidade perante a dor que estão sofrendo", segundo subdiretor de imprensa do Vaticano

Cidade do Vaticano – O papa Francisco conversou longamente com a mãe de James Foley, o jornalista americano decapitado pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI), e “ficou fortemente impressionado pela grande fé da mulher”.

O subdiretor do Escritório de Imprensa do Vaticano, Ciro Benedettini, disse nesta sexta-feira que a conversa, realizada ontem, foi “muito longa”.

Francisco conversou em inglês com a mãe e o pai do jornalista assassinado, assim como com um parente que falava espanhol, que em alguns momentos atuou como intérprete. O papa expressou “sua proximidade perante a dor que estão sofrendo”.

O jesuíta americano James Martin, amigo da família, afirmou ontem após a conversa que os pais de Foley estão “comovidos” e “agradecidos” pelo interesse demonstrado pelo pontífice argentino, informou a “Rádio Vaticano”.

A família de Foley é católica e o jornalista estudou na Marquette University, administrada pelos jesuítas no estado de Wisconsin.