Oxfam perdeu milhões após escândalo de abusos sexuais no Haiti

"Agora temos menos dinheiro para levar água potável, alimentos e outras formas de apoio", comentou porta-voz da Oxfam GB

A Oxfam GB terá que economizar milhões de libras e reduzir seus programas, afirmou neste sábado (16) a ONG, que perdeu doadores após o escândalo provocado pela revelação de abusos sexuais cometidos por funcionários no Haiti em 2010.

“Devido ao comportamento revoltante de alguns de nossos ex-funcionários no Haiti e dos erros de nossa parte na hora de tratar desse caso, agora temos menos dinheiro para levar água potável, alimentos e outras formas de apoio a pessoas que necessitam”, comentou uma porta-voz da Oxfam GB em nota.

A ONG integra a confederação Oxfam International, que reúne 20 organizações. Agora, ela terá que economizar 16 milhões de libras, disse a porta-voz à AFP, confirmando uma informação publicada pelo jornal The Guardian.

Para isso, a Oxfam planeja fazer cortes de vagas na sede e nas “funções de apoio” para “poder continuar com o grosso de nosso trabalho nos locais”.

“Estamos imensamente gratos por todos aqueles – nove em cada dez de nossos doadores regulares – que continuaram nos apoiando durante este período difícil”, acrescentou a porta-voz.

A imprensa britânica revelou em fevereiro um escândalo de abusos sexuais cometidos por membros da missão humanitária da Oxfam GB no Haiti, após o terremoto de 2010.

Em 2011, a ONG conduziu uma investigação interna, que levou sete de seus funcionários no Haiti a deixarem a organização, quatro deles demitidos por “falta grave”.

Mas a investigação não se tornou pública até fevereiro, quando foi revelada pela imprensa britânica.

Em maio, o diretor-geral da Oxfam GB, Mark Goldring, anunciou sua renúncia.

Nesta quarta-feira, o Haiti anunciou ter retirado sua autorização à Oxfam GB “por violação da legislação haitiana e por violação grave do princípio-chave da dignidade das pessoas”.

Veja também