OSCE denuncia violência policial contra jornalistas no Ocupe

"A Polícia deveria facilitar o trabalho dos jornalistas, não agredi-los e prende-los", disse Mijatovic em um comunicado divulgado em Viena

Viena – O responsável da OSCE para a Liberdade de Imprensa, Dunja Mijatovic, expôs sua “preocupação” nesta quarta-feira pelo tratamento dado aos jornalistas que cobriam o primeiro aniversário do movimento “Ocupe Wall Street” em Nova York e pediu para deixarem os informadores fazer seus trabalhos.

“A Polícia deveria facilitar o trabalho dos jornalistas, não agredi-los e prende-los. As autoridades devem exigir que seus organismos de aplicação da lei respeitem os direitos e deveres dos meios de comunicação”, declarou Mijatovic em um comunicado divulgado em Viena.

O responsável da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) lembra que pelo menos cinco trabalhadores dos de imprensa foram detidos quando cobriam a manifestação do primeiro aniversário desse movimento, realizada na última segunda, no coração do distrito financeiro de Nova York.

“Essa atuação evidencia um sinal preocupante sobre o respeito da polícia à liberdade de imprensa”, completou Mijatovic.

O protesto, realizado de forma pacífica, salvo alguns incidentes isolados entre grupos de manifestantes e agentes, acabou com mais de 140 detidos, segundo a polícia nova-iorquina.

No último mês de novembro, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos já havia denunciado que os jornalistas que cobriam as manifestações dos “indignados” nos Estados Unidos tinham sido agredidos e detidos pela policia americana quando realizavam seu trabalho.