Os estragos das enchentes diluvianas que castigam o Peru há dias

Ao menos 85 pessoas morreram e outras 700 mil foram afetadas

São Paulo – A estação de chuvas no Peru começou mais violenta do que nunca, com níveis pluviométricos 10 vezes acima do esperado. Isso fez com que os rios da região transbordassem, provocando as piores enchentes da história recente do país.

Ao menos 85 pessoas morreram e outras 700 mil foram afetadas, desde o início do mês. O cenário é desalentador. Várias ruas, estradas, pontes e construções colapsaram.

Em meio aos estragos, muitos moradores de áreas afetadas nas regiões costeiras se mobilizam para retirar a espessa camada de lama que se acumulou nas casas. Um trabalho que além de penoso deixa a população extremamente vulnerável a mosquitos transmissores de dengue e zika e expostos a doenças como a leptospirose.

Enchentes no Peru em março de 2017.

Voluntários ajudam os agentes da defesa civil na distribuição de produtos básicos para milhares de famílias que perderam praticamente tudo, e ainda auxiliam na busca por possíveis vítimas.

Vista aérea dos estragos causadas pelas enchentes em Piura, no Peru

 (Luis Guillen/Presidential Palace/Reuters)

Em algumas cidades, o abastecimento de água foi temporariamente restringido devido aos problemas gerados pelas enchentes nas estações de abastecimento e tratamento locais. No campo, mais de 12 mil hectares de áreas cultivadas também foram afetados.

Enchentes no Peru em março de 2017.

 (Miguel Arreategui/Reuters)

As fortes chuvas, que também afetaram em cheio a costa do Equador, isolando comunidades e bairros, foram atribuídas a um fenômeno climático local chamado “El Niño Costeiro”.

Miguel Arreategui

 (Miguel Arreategui/Reuters)

“Com a água do mar mais quente do que o normal, a evaporação é maior. Mais umidade é injetada na atmosfera, o que aumenta a formação da nebulosidade e da quantidade de chuva. A esse aquecimento anormal da água do Pacífico na costa norte do Peru e no litoral do Equador, os meteorologistas peruanos deram o nome de El Niño Costeiro, pelos efeitos semelhantes aos provocados pelo fenômeno El Niño Global”, explica a meteorologista Josélia Pegorim, em análise publicada no Climatempo.

Ponte destruída pelas enchentes no Peru

 (Douglas Juarez/Reuters)

Ela esclarece que o aquecimento da água do oceano Pacífico na costa norte do Peru e na costa do Equador ocorre com certa regularidade, assim como o esfriamento anormal. Mas o que particularmente chamou a atenção dos meteorologistas, segundo a especialista, é que há 18 anos não se observava um aquecimento tão intenso e rápido da água do mar na região.

Enchentes desabrigam milhares no Peru, em março 2017.

 (Mariano Bazo/Reuters)

A previsão é de que, pelo menos até abril, as chuvas devem continuar, mas com magnitude moderada. Segundo a Comissão Multisetorial Enfen, instituto meteorológico do Peru, “há uma alta probabilidade de chuvas muito fortes nas áreas média e baixa da costa, principalmente em Tumbes, Piura e Lambayeque até o mês de abril, embora essa possibilidade vá reduzindo conforme o término da estação chuvosa”.

Enchentes no Peru causam mortes e destruíção