Opositor russo inicia greve de fome após ser condenado

No primeiro dia na prisão, Udaltsov se negou a comer, informou Serguei Tsigankov, porta-voz do serviço federal penitenciário

Moscou – O opositor russo de extrema esquerda Serguei Udaltsov começou nesta sexta-feira uma greve de fome, um dia depois de ser condenado, por organizar distúrbios, a quatro anos e meio de prisão, informaram autoridades penitenciárias.

No primeiro dia na prisão, Udaltsov se negou a comer, informou Serguei Tsigankov, porta-voz do serviço federal penitenciário.

Um tribunal russo declarou na quinta-feira o opositor russo e um de seus colaboradores culpados de promover “distúrbios em massa” nas manifestações de 2011 e 2012 contra o presidente Vladimir Putin.

Um dos colaboradores de Udaltsov, Leonid Razvozjaev, foi declarado culpado dos mesmos crimes.

Udaltsov, de 37 anos, era um dos chefes da oposição durante as manifestações de 2011 e 2012 em Moscou contra Putin. Sua formação, a Frente de Esquerda, representava a ala esquerda radical do movimento de protesto.

O opositor se encontrava sob prisão domiciliar desde fevereiro de 2013 e desde então não podia sair de sua residência, nem usar o telefone ou a internet.

Razvozjaev, de 41 anos, era conselheiro de um deputado russo da oposição. Foi detido em outubro de 2012. Algumas fontes afirmam que foi sequestrado na Ucrânia quando pretendia pedir asilo e foi levado à força para a Rússia.

Foi aberta uma investigação sobre os dois homens depois que a tv pró-Kremlin NTV difundiu um documentário afirmando que vários opositores como Udaltsov se preparavam para derrubar o governo.

Na quinta-feira, vários ativistas se reuniram perto do tribunal com cartazes que pediam a liberdade do opositor.