Oposição francesa critica Macron por atacar Síria sem aval da ONU

Representantes do principal partido opositor ao governo avisaram que Macron "ultrapassou uma linha vermelha" ao agir sem o aval do Conselho de Segurança

A oposição da França, desde a extrema-esquerda até a centro-direita, criticou nesta segunda-feira no parlamento o presidente do país, Emmanuel Macron, por ter agido sem o aval da ONU durante os bombardeios seletivos contra instalações químicas na Síria.

Em um debate no Legislativo francês, no qual não houve votação, o governo do país e seus aliados defenderam a intervenção da França na madrugada de sábado, quando atacaram posições sírias junto com Estados Unidos e Reino Unido.

Os centro-direitistas dos Republicanos, o principal partido opositor, avisaram Macron que ele “ultrapassou uma linha vermelha” ao agir sem o aval do Conselho de Segurança da ONU, onde a Rússia de Vladimir Putin apresentou vários vetos para evitar represálias contra a Síria de Bashar al Assad, aliada de Moscou.

“Alinhando-nos às posições americanas, renunciamos à singularidade da França (…). Ao decidir sem o mandato da ONU por uma intervenção na Síria, (Emmanuel Macron) ultrapassou uma linha vermelha”, reprovou o deputado centro-direitista Christian Jacob.

O político lembrou que a França se posicionou contra os ataques ao Iraque em 2003 sob o mandato do centro-direitista Jacques Chirac e frisou que “sem a Rússia” não haverá uma solução duradoura na Síria.

“Acabar com um ditador (Bashar al Assad) não quer dizer que será formada uma democracia (…). Em 2003, no Iraque, a não intervenção representou uma expressão de independência de nosso país”, afirmou Jacob, que lamentou que não houvesse um debate na Assembleia anterior ao ataque, pois Macron optou por aprovar o bombardeio amparado no artigo 35º da Constituição francesa.

Enquanto as forças majoritárias na Assembleia – o partido de Macron, A Republica Em Marcha! (LREM, na sigla em francês), e o seu principal sócio de coalizão, o centrista Movimento Democrático (MoDem) – justificaram a atuação do exército francês, a esquerda se mostrou dividida na intensidade das críticas contra Macron.

O grupo da Nova Esquerda, que agrupa os deputados do Partido Socialista (PS), lamentou que o ataque da França fosse realizado sem o sinal verde dos outros países da UE e condicionaram seu apoio à operação a que a França propusesse uma mudança do sistema de veto na ONU quando forem discutidas situações de crimes contra a humanidade como os supostamente cometidos por Assad.

O líder do França Insubmissa, o esquerdista Jean-Luc Mélenchon, foi mais incisivo que os socialistas e garantiu que o ataque no “vespeiro” sírio foi precipitado, pois ainda não está comprovado o uso de armas químicas por parte do regime sírio.

“Atacamos enquanto a Organização para a Proibição de Armas Químicas estava investigando. Além disso, o fizemos sem o mandato da ONU (…) e sem aliados na UE”, reprovou Mélenchon, que insinuou que os interesses econômicos estão por trás da operação.

Já no grupo do Partido Comunista Francês (PCF), o deputado Jean-Paul Lecoq também condenou o que considera “uma guerra preventiva” que evoca “as piores aventuras militares no Iraque e na Líbia”.

O grande ausente deste debate foi o partido de extrema-direita Frente Nacional (FN), de Marine Le Pen, que não teve direito a debater pois, nesta sessão, apenas os grupos parlamentares poderiam fazê-lo, e para isso são necessários 15 legisladores no mínimo, mas a FN tem apenas oito deputados e não conseguiu fazer alianças com outras legendas.

No entanto, Marine Le Pen já tinha deixado clara a sua oposição ao ataque francês à Síria em um vídeo exibido na sexta-feira, pouco antes do bombardeio.

De parte do governo francês, o primeiro-ministro, Édouard Philippe, seguiu na mesma linha de Macron e esclareceu que os bombardeios de sexta-feira “não são o prelúdio de uma guerra”.

“Não entramos em guerra contra a Síria ou contra o regime de Bashar al Assad (…), mas nenhuma solução política será alcançada se o uso de armas químicas ficar impune”, condenou Philippe, que defendeu que “os ataques seletivos” da madrugada de sábado foram desenvolvidos para evitar “uma escalada” de violência.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s