Oposição do Congo denuncia fraude em referendo presidencial

O governo anunciou nesta terça-feira que o "Sim" venceu com 92,26% dos votos e também que o referendo teve uma taxa de participação de 72,44%

A oposição denunciou nesta terça-feira uma fraude no referendo constitucional de domingo na República do Congo, no qual mais de 90% dos eleitores aprovaram a mudança que permitirá ao presidente Denis Sassou Nguesso permanecer no cargo.

“Pelo que observamos no dia da votação, o anúncio de uma taxa de participação de mais de 72% é um grande escândalo”, disse à AFP Clément Miérassa, um dos líderes da Frocad, uma das duas plataformas de oposição que defendeu o boicote ao referendo.

O governo anunciou nesta terça-feira que o “Sim” venceu com 92,26% dos votos. Também anunciou que o referendo teve uma taxa de participação de 72,44%.

“O projeto de texto de nova Constituição foi aprovado e entrará em vigor assim que for promulgado pelo presidente da República”, anunciou o ministro do Interior, Raymond Mboulou.

O projeto de Constituição elimina os dois obstáculos (limite de idade e de número de mandatos) que impediam ao presidente Denis Sassou Nguesso disputar um terceiro mandato em 2016.

Sassou Nguesso, que governou o país entre 1979 e 1992, voltou ao poder em 1997 com um golpe de Estado. Ele totaliza 31 anos no poder.