ONU pede moderação das autoridades nos protestos pelo Brasil

Ao mesmo tempo, alta comissária das Nações Unidas pediu aos manifestantes para não utilizarem de violência

Genebra – A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, pediu nesta terça-feira às autoridades brasileiras moderação na resposta aos protestos sociais que se multiplicaram no país, ao mesmo tempo em que conclamou os manifestantes a não utilizarem da violência.

Os protestos que começaram na semana passada em São Paulo contra o reajuste das tarifas de transporte público se estenderam ontem, com novas reivindicações, em diversas cidades do país.

Pillay encorajou às partes a estabelecer um diálogo aberto para encontrar soluções para demandas sociais que considerou válidas.

“Com mais protestos planejados, nos preocupa que o uso excessivo da força por parte das forças policiais possa se repetir”, disse Pillay em uma declaração escrita. A funcionária da ONU afirmou ainda que estas são as manifestações cidadãs mais importantes vistas no Brasil nos últimos vinte anos.

Pillay relatou que seu gabinete recebeu “informes sobre feridos e detenções, incluindo a de jornalistas que cobriam os eventos”.


As denúncias que chegaram em Genebra também incluem alguns casos de detenções arbitrárias denunciados por organizações da sociedade civil, indicou a máxima responsável de direitos humanos das Nações Unidas.

Pillay parabenizou a presidente Dilma Rousseff por seus comentários reconhecendo a legitimidade das manifestações, assim como o acordo em São Paulo para que a polícia não utilizasse balas de borracha e gás lacrimogêneo.

“Pedimos ao governo do Brasil que tome todas as medidas para garantir o direito de reunião e evitar o uso desproporcional da força nos protestos”, disse a alta comissária.

A ONU também espera que se investiguem de maneira rápida e independente os eventuais abusos cometidos pelas forças da ordem.