Guterres, enfim, encara a crise entre Israel e Palestina

Depois de oito meses no cargo, o secretário-geral da ONU viajou para a região que é considerada muitas vezes o epicentro de conflitos no Oriente Médio

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, visitou a Terra Santa pela primeira vez nesta segunda-feira. Hoje, ele chega à cidade de Ramala, considerada o centro econômico da Palestina, depois de ter passado por Israel na segunda-feira. Os dois territórios vivem em conflito há décadas, e a relação conturbada é considerada muitas vezes epicentro de conflitos no Oriente Médio.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Passaram-se oito meses no cargo até que Guterres fizesse esta viagem. Antes disso, o líder máximo da ONU priorizou visitas a países como Ucrânia, Somália, Afeganistão, Iraque, Turquia, Qatar e Uganda. O assunto havia ficado delicado desde que os Estados Unidos, históricos aliados de Israel, acusaram a ONU de ser parcial em relação à Palestina. Em março, as Nações Unidas publicaram um relatório afirmando que as políticas israelenses criavam um apartheid entre os dois povos. Guterres pediu o arquivamento do texto após pressão americana; e a secretária para as questões da Ásia Ocidental, Rima Khalaf, acabou entregando o cargo.

Em Israel, Guterres ouviu pedido do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu que a ONU ajude a frear o avanço do Irã na Síria e no Líbano, alegando que o governo iraniano está construindo bases militares em outros países, inclusive com produção de mísseis teleguiados, para concretizar seu objetivo de destruir Israel. Sobre a Palestina, Netanyahu afirmou que a ONU tem uma “obsessão absurda” com as questões palestinas, mas que acredita que o mandato de Guterres pode significar uma nova página da relação entre a ONU e Israel.

Em sua passagem pela Palestina nesta terça-feira, Guterres se encontra com o primeiro-ministro Rami Hamdallah, que deve cobrar a realização do sonho do Estado Palestino — que é endossado pelo secretário-geral da ONU. Depois, Guterres deve seguir para a Faixa de Gaza, onde a ONU mantém projetos de paz. Israel é um Estado desde 1948, mas ainda luta para que os palestinos sigam na informalidade política. A pressão sobre Guterres será imensa nos dois lados da fronteira.