ONU condena ataque contra escola em Gaza e exige punição

Ban Ki-Moon afirmou que refúgios da ONU devem ser zonas seguras e lembrou que as forças de Israel foram informadas sobre a localização dessas instalações

Nações Unidas – A ONU condenou neste domingo o ataque contra uma escola de sua agência para os refugiados palestinos (UNRWA) na cidade de Rafah, que causou a morte de pelo menos 10 civis, exigiu uma rápida investigação e que os responsáveis sejam julgados.

“É um ultraje moral e um ato criminoso”, denunciou o secretário- geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, em comunicado de seu porta-voz, no qual se referiu ao fato como “outra grave violação da lei humanitária internacional”.

O diplomata coreano ressaltou que os refúgios da ONU devem ser zonas seguras e lembrou que “as Forças Armadas de Israel foram informadas repetidamente sobre a localização dessas instalações”.

“Este ataque, junto com outras violações da legislação internacional, deve ser investigado rapidamente e os responsáveis devem pagar por isso”, defendeu Ban.

Segundo o porta-voz da UNRWA, Chris Gunness, o bombardeio aconteceu às 10h50 (local) e atingiu as imediações da escola da agência em Rafah, onde se refugiam cerca de três mil deslocados.

Durante a atual ofensiva militar, projéteis do exército israelense atingiram complexos da ONU pelo menos outras cinco vezes, em vários casos matando civis abrigados.

O último caso aconteceu dia 30, quando 15 palestinos morreram e 50 ficaram feridos em outro bombardeio em uma escola da UNRWA em Jabalya, no norte de Gaza, o que suscitou uma onda de condenações internacionais contra Israel.

Nele morreram dez mortos e um número indeterminado de feridos. O ataque aconteceu dois dias depois da ruptura da última trégua estipulada por israelenses e palestinos.

Ban, no comunicado de hoje, se declarou “profundamente consternado pela espantosa escalada de violência e pela perda de centenas de vidas de palestinos civis desde a ruptura do cessar-fogo humanitário em 1º de agosto”.

“A volta dos combates só exacerbou a crise humanitária e de saúde que está causando estragos em Gaza”, lamentou Ban, que exigiu mais uma vez a retomada do cessar-fogo e o início da negociações entre as partes.

“Esta loucura deve parar”, enfatizou o secretário-geral da ONU. EFE

mvs/cd