ONU acusa Paraguai de violar direitos humanos ao não controlar agrotóxicos

A ONU diz que o uso desenfreado de agroquímicos causou uma morte e a intoxicação de pelo menos 22 pessoas

Genebra — O Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas responsabilizou o Paraguai de violar liberdades fundamentais por não controlar adequadamente o uso de agroquímicos, o que causou a morte de uma pessoa e a intoxicação de pelo menos 22 na fumigação de plantações de soja.

“Pedimos ao Paraguai que faça uma investigação efetiva e exaustiva e a punir todos os responsáveis, reparar integralmente as vítimas e publicar a sentença em um jornal de ampla circulação”, disse o comitê em comunicado.

A ONU considera que, apesar de todas as denúncias, permitiu-se que as fumigações continuassem sem medida de proteção ambiental alguma. O comitê afirma que, além dos danos pessoais, a utilização desses produtos ilegais causou a contaminação da água, do solo e de cultivos, assim como um grande impacto nas condições de vida das comunidades afetadas.

“As fumigações maciças contaminaram os recursos hídricos e aquíferos, impedindo o uso de riachos, e causaram a perda de plantações e árvores frutíferas, assim como a morte de vários animais de criações”, denunciou.
As vítimas do uso dos agroquímicos são trabalhadores rurais de uma mesma família da região de Canindeyú, na região do oeste do país, onde o cultivo de soja transgênica está muito estendido.

Segundo o comitê da ONU, as vítimas sofreram sintomas que vão desde náuseas, enjoos, dores de cabeça, febre e dor estomacal até vômitos, diarreia, tosse e lesões na pele.

O Paraguai é o terceiro maior exportador de soja do mundo, com cerca de 30 mil quilômetros quadrados dedicados ao cultivo da planta. A maior parte das plantações são cultivos modificados geneticamente para que não seja afetado pelo uso de agroquímicos, que destroem o resto da vegetação.