ONGs denunciam maus-tratos contra refugiados na Bulgária

Em 15 de outubro, um guarda de fronteira búlgaro matou a tiros um afegão de 19 anos que acabava de entrar clandestinamente no país

Organizações humanitárias denunciaram o tratamento e as chantagens das forças de segurança búlgaras contra os migrantes que atravessam o país a caminho da Europa central ou do norte.

Cerca de cem migrantes, afegãos, iraquianos e sírios, foram entrevistados na Sérvia, na fronteira com a Bulgária, e disseram que foram ameaçados de expulsão, atacados pelos cães da polícia, agredidos e obrigados a entregar seus dinheiro aos agentes búlgaros para poder prosseguir seu caminho, segundo uma investigação da Belgrade Center for Human Rights e financiada pela ONG Oxfam.

Em 15 de outubro, um guarda de fronteira búlgaro matou a tiros um afegão de 19 anos que acabava de entrar clandestinamente no país a partir da vizinha Turquia.

A Bulgária, membro de la UE, mas não do espaço Schengen de livre circulação, está à margem do principal fluxo migratório para a Europa ocidental, que passa pela Grécia, Macedônia e Sérvia.

Segundo a Oxfam, 200 migrantes chegam por dia a Dimitrovgrad, cidade sérvia próxma à fronteira búlgara.