Onda de calor na França ameaça catedral de Notre-Dame

Arquiteto responsável pelas obras de restauração da catedral que foi destruída pelo fogo teme que a estrutura do teto, já fragilizada, não resista

Paris — As temperaturas elevadas que assolam a França ameaçam precipitar o desabamento do teto abobadado de Notre-Dame, catedral de Paris já atingida por um incêndio, disse seu principal arquiteto nesta quarta-feira.

Em abril, Notre-Dame foi devastada por chamas intensas que destruíram o teto e fizeram o cume elevado da estrutura de vários séculos desmoronar através de parte do teto.

“Estou muito preocupado com a onda de calor”, disse o arquiteto-chefe Philippe Villeneuve. “O que temo é que as juntas da alvenaria, à medida que secarem, percam a coerência, a coesão e as qualidades estruturais e que a abóbada ceda de repente”.

Villeneuve disse que o teto abobadado “poderia muito bem” desabar e que, ao contrário dos campanários e de outras partes da catedral, especialistas ainda não conseguiram acessar o teto por cima ou por baixo.

Oitenta dos 96 departamentos administrativos da França estavam em alerta laranja – o segundo nível mais elevado –  nesta quarta-feira, quando uma onda de calor escaldante se intensificou.

O instituto meteorológico estatal Météo France previu que Paris sufocará sob temperaturas recordes de cerca de 42 graus Celsius na quinta-feira, o pico esperado da segunda onda de calor mais forte do verão. O recorde atual da capital, 40,4º C, foi registrado em 1947.

O presidente Emmanuel Macron prometeu que Notre-Dame será reconstruída em cinco anos. Operários ergueram uma lona branca gigantesca sobre o teto danificado, estabilizaram os pináculos da catedral e instalaram dezenas de sensores para detectar qualquer movimento.

O incêndio na catedral, construída ao longo de 200 anos a partir de meados do século 12 e um símbolo antigo de Paris, provocou grande tristeza na França e em todo o mundo.