Obama se compromete com reforma migratória

Em cerimônia de nacionalização de militares na ativa, veteranos e reservistas, o presidente americano se comprometeu com uma reforma migratória

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, presidiu nesta sexta-feira uma cerimônia de nacionalização de militares na ativa, veteranos e reservistas, na Casa Branca, por causa do Dia da Independência, na qual destacou a contribuição dos imigrantes para o país e se comprometeu com uma reforma migratória.

Obama destacou o “sacrifício” destes imigrantes dispostos a dar a vida por um país inclusive antes de ser “totalmente o seu”, durante uma cerimônia na qual também foi reconhecido o chef espanhol José Andrés por sua contribuição ao país como imigrante.

“Todos vocês traçaram um longo caminho até este momento”, assinalou o presidente, “porque seus pais lhes trouxeram crianças ou porque o decidiram já adultos, muitos de vocês fizeram algo extraordinário ao se alistarem”.

O presidente reconheceu a contribuição dos imigrantes às Forças Armadas, que ganharam a cidadania servindo ao país, e que ao longo da história esta comunidade apresentou aos EUA, que comemora 238 anos de sua independência.

Obama afirmou que os EUA são uma “nação de imigrantes” e se comprometeu a continuar trabalhando para “regular” o atual sistema de imigração, motivo de disputa entre democratas e republicanos no Congresso, onde está estagnado o projeto de lei aprovado no ano passado pelo Senado.

“Vou continuar fazendo tudo o que puder para continuar fazendo nosso sistema de imigração melhor e mais eficiente”, disse.

“Vamos ter de regular nosso sistema de imigração, que está partido, e aprovar uma reforma migratória de bom senso”, disse e assinalou que a reforma ajudaria o crescimento da economia.

Obama, que presidiu anteriormente cerimônias de nacionalização na Casa Branca em 2009, 2010, 2012 e 2013, destacou que estes novos cidadãos com sua incorporação contribuem para que os EUA sejam um país “mais completo”.

Quinze militares da ativa de Exército, Força Aérea e Guarda Nacional, dois veteranos, um reservista e sete cônjuges de militares, que em conjunto representavam 15 países, receberam a cidadania.

O subsecretário do Departamento de Segurança Nacional, Alejandro Mayorkas, Alejandro Mayorkas comandou o juramento de cidadania dos 25 novos americanos que deram sua palavra de fidelidade ao país com mão direita levantada.

Trata-se de uma iniciativa que destaca as conquistas de cidadãos naturalizados que demonstraram seu compromisso com o país através de sua participação cívica, seu sucesso profissional e sua contribuição.