Obama pede aumento do controle de armas um ano após tiroteio

Tiroteio em Washington, o mais sangrento que viveu a capital americana, foi realizado por Aaron Alexis, um ex-soldado da Defesa que tinha problemas mentais

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, renovou nesta terça-feira seu pedido para empreender “reformas de bom senso” que aumentem o controle de armas no país, exatamente um ano depois de um tiroteio em um centro administrativo da Marinha em Washington deixar 12 mortos.

Em comunicado, Obama lembrou que em 16 de setembro de 2013, as “dedicadas equipes civil e militar do Centro da Marinha em Washington foram atacadas em um ato de violência inefável que arrebatou as vidas de 12 patriotas americanos”.

“Há um ano, 12 americanos foram trabalhar para proteger e fortalecer o país que amavam. Hoje, devemos fazer o mesmo: rejeitar que atrocidades como esta se torne uma situação normal e renovar nosso chamado a aprovação de reformas de bom senso que respeitem nossas tradições ao tempo que reduzam a violência armada que atinge muitas famílias americanas todos os dias”, acrescentou.

O tiroteio em Washington, o mais sangrento que viveu a capital americana, foi realizado por Aaron Alexis, um ex-soldado da Defesa que tinha problemas mentais e disparou contra os trabalhadores em vários lugares de o complexo militar antes de ser abatido pela polícia.

O fato aconteceu alguns meses depois de fracassar no Congresso a tentativa da Administração de Obama de aumentar o controle de armas, um esforço que ganhou impulso após o massacre ocorrido em dezembro de 2012 na escola de Newtown (Connecticut), onde foram assassinadas 20 crianças e seis mulheres.

As mudanças legislativas foram frustradas em grande parte pela poderosa influência da Associação Nacional da Espingarda (NRA) no Congresso, que não aprovou nem sequer uma medida que, segundo as enquetes, era aprovada por 90% dos americanos: um sistema de verificação de antecedentes para os compradores de armas.

Em junho, Obama afirmou que sua maior insatisfação como presidente é o fracasso no endurecimento das leis de controle de armas, e opinou que até que “haja uma mudança fundamental na opinião pública, em que o povo diga: “Basta, isto não é aceitável, não é normal”, não há muito a mudar” nessa área.

Obama também mostrou hoje seu apoio “aos sobreviventes que continuam se recuperando” e “às equipes de emergências que atuaram com coragem e talento”. Segundo ele, seu governo continua “aumentando a segurança nas bases e instalações militares de todo o país para proteger civis e militares que ajudam a manter a segurança”.

O fato de o autor do tiroteio, um ex-reservista da Marinha, manter a autorização para entrar no edifício militar, apesar de estar recebendo tratamento de saúde mental, levou o governo a ordenar, há um ano, uma revisão dos procedimentos de segurança em todas as instalações militares do país.