Obama e Raúl Castro divergem sobre direitos humanos

Obama pressionou Cuba a melhorar na questão, mas presidente cubano reagiu condenando "padrões duplos" norte-americanos

Havana – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pressionou Cuba a melhorar nas questões de democracia e direitos humanos, após reunir-se com o presidente cubano, Raúl Castro, em uma visita histórica à ilha comunista nesta segunda-feira, mas Raúl reagiu condenando os “padrões duplos” norte-americanos.

Obama disse que os dois tiveram discussões “francas e sinceras” sobre direitos humanos, assim como em áreas de cooperação.

Raúl afirmou que eles poderiam atingir um nível muito melhor nas relações, se os Estados Unidos retirassem o embargo comercial de 54 anos à ilha.

“Nós continuamos a ter sérias diferenças, inclusive sobre a democracia e os direitos humanos”, declarou Obama em uma conferência de imprensa conjunta, em que Raúl Castro respondeu perguntas de jornalistas, um ato raro.

Em resposta a uma pergunta sobre presos políticos, Raúl pediu que fosse mostrada uma lista desses detidos, refletindo a posição de Cuba de que não detém nenhum desses prisioneiros.

“Dê-me uma lista dos prisioneiros políticos agora e se a lista existir, eles serão libertados antes do fim da noite”, disse o presidente cubano.

Os dois líderes realizaram reuniões diretas um dia depois de Obama chegar para a primeira visita de um presidente dos EUA à ilha em quase 90 anos.