Obama e Netanyahu de acordo em parar ímpeto nuclear do Irã

Obama e Netanyahu "enfatizaram que estão inteiramente de acordo sobre o objetivo comum de impedir que o Irã obtenha uma arma nuclear"

Washington – O presidente Barack Obama e o primeiro-ministro israelenses Benjamin Netanyahu estão inteiramente de acordo quanto à necessidade de impedir que o Irã se dote de armas nucleares, afirmou nesta sexta-feira a Casa Branca depois de uma conversa por telefone entre os dois dirigentes.

Obama e Netanyahu “enfatizaram que estão inteiramente de acordo sobre o objetivo comum de impedir que o Irã obtenha uma arma nuclear”. “O primeiro-ministro parabenizou o compromisso do presidente Obama, ante a Assembleia Geral das Nações Unidas, de fazer o necessário para alcançar esta meta”, precisa o executivo americano em comunicado.

A ligação telefônica entre os dois dirigentes, que mantêm uma relação notoriamente difícil, aconteceu um dia depois de um encontro entre Netanyahu e a chanceler americana Hillary Clinton à margem da Assembleia Geral da ONU, em Nova York.

Nessa ocasião, um funcionário do departamento de Estado evocou nos mesmos termos os pontos de acordo.

Clinton e Netanyahu mantiveram “uma discussão a fundo sobre o Irã e reafirmaram o mesmo objetivo de impedir o Irã de ter acesso a uma arma nuclear”, declarou o funcionário que não quis ser identificado.

Durante seu discurso na Assembleia Geral, Netanyahu disse na quinta-feira que “está ficando tarde, muito tarde”, acrescentando que o programa nuclear iraniano já avançou 70% no processo de enriquecimento de urânio necessário para obter a bomba atômica.

“Diante de uma linha vermelha clara, o Irã cederá”, afirmou o primeiro-ministro israelense, advertindo que “o futuro do mundo está em jogo”.

O embaixador iraniano na ONU Eshagh al Habib, que voltou a negar a intenção de seu país de obter a arma nuclear, reagiu às declarações de Netanyahu afirmando que o Irã “é suficientemente forte para se defender e se reserva todo o direito de contra-atacar, com toda força”, qualquer agressor.

Habib deve ler a declaração na Assembleia Geral da ONU, como uma “resposta às ameaças do primeiro-ministro israelense” diante dos líderes mundiais reunidos nas Nações Unidas.

Na terça-feira, o presidente americano, Barack Obama, prometeu na ONU fazer “todo o necessário” para evitar que Teerã obtenha a arma nuclear.