Obama e Hollande se comprometem a fazer mais em conjunto

Os dois presidentes ressaltaram a aliança duradoura entre França e Estados Unidos, durante uma cerimônia de recepção

Os presidente da França, François Hollande, e dos Estados Unidos, Barack Obama, ressaltaram nesta terça-feira sua disposição de trabalhar “em conjunto” para enfrentar os grandes desafios globais, do terrorismo às mudanças climáticas, no início de uma visita do governante francês à Casa Branca.

Os dois presidentes ressaltaram a aliança duradoura entre França e Estados Unidos, durante uma cerimônia de recepção.

“Mais países devem reforçar e assumir responsabilidades de liderança, e isso é o que os Estados Unidos e a França estão fazendo juntos”, disse Obama, depois da execução dos hinos nacionais no jardim da Casa Branca e passar em revista as tropas americanas ao lado de seu convidado.

“‘Bonjour’, é tudo o que eu sei dizer em francês”, disse o presidente americano, sorrindo, ao iniciar seu discurso.

Por sua vez, Hollande iniciou o seu em inglês, lembrando “o quanto faz frio em Washington”, mas considerando um “dia magnífico, um grande dia para amigos”.

“É uma grande honra de receber meu amigo, o presidente Hollande”, declarou Obama, lembrando que está é a primeira visita de Estado de um presidente francês aos Estados Unidos “em quase 20 anos”.

A última aconteceu em 1996, na época de Jacques Chirac e Bill Clinton.

“Que façamos mais coisas juntos”, disse Obama, que também pronunciou o lema da Revolução Francesa “Liberdade, Igualdade, Fraternidade” em francês, tendo ao fundo a Casa Branca enfeitada com bandeiras francesas e americanas, de acordo com o protocolo das visitas.

Fazendo eco a essas palavras, Hollande afirmou que os dois países atuam em conjunto em questões como o combate ao terrorismo, a luta contra as mudanças climáticas, a não-proliferação de armas de destruição em massa e a resolução dos conflitos no Oriente Médio e na África.


“Aliança transformada”

Os dois governantes, que viajaram no dia anterior no Air Force One para Monticello, reduto do presidente Thomas Jefferson na Virgínia (leste), reuniram-se, em seguida, no Salão Oval antes da coletiva de imprensa conjunta.

O dia terminará com um “jantar de Estado” com a presença de cerca de 300 convidados.

Hollande fará desta uma visita histórica com a atribuição da Legião de Honra a um dos soldados desconhecidos enterrados no Arlington National Cemetery e a condecoração de seis veteranos da Segunda Guerra Mundial em Fort Meyer.

Ainda durante este encontro, François Hollande e Barack Obama discutirão os assuntos mais polêmicos do momento, como o conflito na Síria, o programa nuclear iraniano, a crise política na Ucrânia, e ainda as ameaças terroristas no Sahel e na Líbia.

Desejando “uma aliança transformada” entre os dois países, os dois líderes enfatizaram em um artigo publicado na segunda-feira que a África é o palco mais visível “desta nova parceria”, “do Senegal à Somália”, e particularmente o Mali, a região do Sahel e a República Centro-Africana.

Mas eles também vão discutir meios de fortalecer ainda mais a relação econômica. Os Estados Unidos são estratégicos para o governo de François Hollande, que tem quebrado recordes de impopularidade em seu país, e busca retomar o crescimento e reduzir o desemprego em massa na França.

Depois da coletiva de imprensa na Casa Branca, Hollande deve almoçar no Departamento de Estado. Ele concluirá sua visita aos Estados Unidos com um passeio pela região de San Francisco, Califórnia (oeste), onde se reunirá com líderes empresariais do “Vale do Silício”.