Obama apresenta propostas para reduzir déficit de longo prazo

Expectativa é que déficit público chegue a US$ 1,5 trilhão neste ano

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pronuncia nesta quarta-feira um discurso sobre a redução do déficit fiscal de longo prazo, no qual vai ressaltar a necessidade de “compartilhar as responsabilidades” e poderá abordar uma alta de impostos aos mais ricos.

Obama, depois de se reunir na Casa Branca com os líderes do Congresso para antecipar a mensagem, começará a falar a partir das 13h30 no horário local (14h30 de Brasília) na Universidade George Washington da capital americana para apresentar suas ideias sobre como reduzir um déficit que neste ano fiscal espera-se que alcance US$ 1,5 trilhão.

A proposta de Obama, como indicou um alto funcionário, partirá de algumas das medidas apresentadas em sua proposta de orçamento para o ano fiscal 2012 e incorporará algumas das recomendações da comissão presidencial contra o déficit fiscal.

Assim, indicou, estabelecerá quatro passos a serem dados: manter reduzido o gasto público interno, novos cortes no orçamento de Defesa, uma redução das despesas médicas excessivas que ao mesmo tempo fortaleçam o sistema de saúde pública e uma reforma do sistema fiscal que corte a despesa.

Aparentemente vai colocar de novo sobre a mesa a eliminação dos cortes de impostos, que prometeu realizar durante sua campanha eleitoral, mas que prorrogou em dezembro como parte de um compromisso com os republicanos.

“O presidente apresentará sua visão para reduzir nosso déficit baseando-se nos valores da responsabilidade e prosperidade compartilhadas”, indicou o alto funcionário.


Segundo a fonte, Obama defenderá em seu discurso “uma atitude equilibrada” para controlar o déficit e “restabelecer a responsabilidade fiscal, ao tempo em que protege os investimentos para crescer a economia, criar empregos e ganhar o futuro”.

A proposta de Obama deixará claro que “se deve viver segundo os próprios meios sem impor peso à classe média e aos aposentados e sem prejudicar a capacidade de investimento no futuro”, acrescentou.

Entre outras medidas, em sua proposta orçamentária para o ano fiscal próximo, apresentada em fevereiro, Obama colocou um congelamento das despesas não obrigatórias no orçamento federal, ao tempo que insistiu na necessidade de aumentar os fundos para educação e infraestruturas, sob pena de que o país perca competitividade.

Entre as propostas contra o déficit que a comissão presidencial colocou em novembro estavam medidas como aumento da idade da aposentadoria e cortes na despesa de Defesa.

Até agora, Obama não havia se pronunciado especificamente se adotaria essas propostas, total ou parcialmente.

Com seu discurso, que segundo a Casa Branca procura abrir uma conversa sobre a responsabilidade fiscal, Obama buscará persuadir os republicanos que verdadeiramente pretende cortar o déficit fiscal, a grande demanda do partido da oposição.

De outro modo, abrirá uma dura batalha com os republicanos, que já apresentaram uma proposta orçamentária, elaborada pelo congressista Paul Ryan, que prevê economizar cerca de US$ 6 trilhões em dez anos mediante profundos cortes nos programas de saúde pública, Medicare e Medicaid.

Em declaração na terça-feira, o presidente da Câmara de Representantes, John Boehner, advertiu Obama que nem pense em aumentar impostos para reduzir o déficit, porque é algo que a oposição vai bloquear.