Obama anuncia fim da Guerra do Iraque

Presidente confirmou a saída das forças americanas do país depois de conversar com o governo iraquiano

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta sexta-feira a retirada completa das tropas americanas do território iraquiano até o fim deste ano, o que levará ao fim um conflito de quase nove anos.

Em declaração na sala de imprensa da Casa Branca, Obama anunciou que, de acordo com o Governo iraquiano, decidiu-se o retorno dos cerca de 40 mil soldados dos EUA que ainda permaneciam no país árabe.

‘Hoje posso dizer que nossas tropas finalmente estarão em casa neste Natal’, assinalou o líder americano. ‘Após uma década de guerra, o país que devemos construir e construiremos é o nosso’.

Obama disse ainda que, após a retirada, os EUA manterão com o Iraque ‘uma aliança firme e duradoura’ e a relação normal entre dois países soberanos. Segundo ele, o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, viajará a Washington para uma visita oficial em dezembro.

Os dois líderes tiveram nesta sexta-feira uma conversa por videoconferência antes do anúncio.

O presidente americano assegurou que a retirada ocorre ‘de uma posição fortalecida’ dos EUA e afirmou que, uma vez concluída a Guerra do Iraque, os americanos levarão adiante a retirada já iniciada das tropas mobilizadas no Afeganistão, algo previsto para terminar em 2014.

Inicialmente, os EUA buscavam manter um contingente de aproximadamente 5 mil militares americanos depois do próximo 31 de dezembro no Iraque. As tropas teriam o objetivo de desenvolver missões de formação e operações especiais.

Não se chegou a um acordo com Bagdá a respeito, após negociações que se prolongaram durante meses, apesar de Obama indicar que as conversas sobre este ponto continuariam.

Atualmente, permanecem no Iraque cerca de 40 mil soldados americanos, depois que, em setembro do ano passado, concluísse a retirada das tropas de combate americanas.

Com sua retirada definitiva, os Estados Unidos concluirão uma guerra iniciada com a invasão do Iraque no dia 20 de março de 2003 com o objetivo inicial de derrubar o regime de Saddam Hussein. Na época, o Governo americano acusava Bagdá de possuir armas de destruição em massa, suspeita que acabou não se confirmando.

Nos piores momentos da guerra, que custou milhões de dólares, os EUA chegaram a ter desdobrados no país árabe em torno de 180 mil soldados. Nos oito anos de guerra, Washington sofreu mais de 4,4 mil baixas.