O que 7 anos de guerra brutal fizeram com a Síria

O conflito no país completa mais um aniversário. Veja aqui como está a situação da Síria em 2018 e entenda as perspectivas para o seu futuro

São Paulo – O dia 15 de março de 2011 ficará marcado para sempre para todo o mundo, especialmente os sírios: após a chegada da onda pró-democracia que a “Primavera Árabe” causou nos países do Oriente Médio e norte da África, era a vez da Síria se mobilizar e protestar por mudanças.

A reivindicação principal? O fim do governo de Bashar Al-Assad e uma transição democrática. No poder desde o início dos anos 2000, Assad ascendeu à presidência após a morte do seu pai, Hafez, que ocupava o posto desde 1970. As demonstrações, pacíficas, aconteceram na capital Damasco e em Daraa, mas foram violentamente reprimidas.

Em pouco tempo, a situação se transformou em uma guerra entre tropas pró-governo e insurgentes. As proporções dessa guerra só aumentaram e seus contornos se tornaram ainda mais complexos com a competição entre potências globais pelo futuro desse país. Hoje, seu território está retaliado, a população imersa em uma crise humanitária sem precedentes e não há qualquer sinal de que Assad deixará o poder.

Como está a Síria?

Sete anos depois do início do conflito, o cenário em território sírio é de destruição. No infográfico abaixo, EXAME montou um retrato da realidade da Síria e da sua população em 2018.

Infográfico sobre a situação da guerra na Síria

E agora?

De acordo com Ghadi Sary, analista da consultoria de riscos políticos Governance House, baseado em Beirute (Líbano), nos últimos meses, a guerra se intensificou em diferentes frentes: no norte do país, a Turquia e rebeldes contra os curdos; em Damasco, a Rússia e tropas pró-governo lutam para retomar Ghouta. “Estamos diante de um de um imenso plano de ação militar a nível regional e internacional”, constatou.

A amplitude do envolvimento militar das potências, avaliou ele, combinada com o fracasso das conversas de paz e cessar-fogo por parte da Rússia, aliada de Assad, e da Organização das Nações Unidas, só agravam um cenário já fragilizado, uma vez que as partes envolvidas seguem apostando na defesa dos seus interesses no campo de batalha e não na diplomacia.

Sem a expectativa de que essa guerra possa estar perto do fim, o que esperar daqui em diante? Para Sary, observar os próximos movimentos da relação entre a Rússia e o Ocidente, bem como os da Turquia serão essenciais. Contudo, o analista espera que a tensão entre as potências internacionais aumente ainda mais, ao mesmo tempo em que a participação dos sírios nos próximos capítulos diminua.

Veja também