O maior pesadelo de Hong Kong? O exército chinês em suas ruas

A imagem de Hong Kong como um centro financeiro cosmopolita poderia sofrer danos irreparáveis se China enviar tropas para controlar a cidade

De repente, esta é a grande questão em Hong Kong: o que os militares chineses farão?

Depois de oito semanas de confrontos cada vez mais violentos – e poucos sinais de que manifestantes contrários ao governo vão baixar a guarda -, a ansiedade aumenta sobre a possibilidade de que Pequim decida colocar o Exército Popular de Libertação (EPL) nas ruas.

A China parece disposta a pelo menos alimentar os rumores com sinais, como a divulgação de um vídeo na quarta-feira mostrando tropas em treinamento para controlar distúrbios.

Embora uma intervenção militar pareça remota, a possibilidade gerou nervosismo na antiga colônia britânica e levou pelo menos um banco de investimentos a classificar Hong Kong como um risco.

Desde que Hong Kong voltou a ser controlada pela China há 22 anos, as tropas do EPL na cidade atuaram muito pouco. Caso isso mude, as implicações para Hong Kong e para a China seriam enormes.

O maior temor seria a repetição da repressão que ocorreu na Praça da Paz Celestial de Pequim há três décadas, o que levou o governo dos Estados Unidos a suspender privilégios comerciais especiais para Hong Kong.

Veja também

Mas mesmo uma intervenção em menor escala poderia desencadear uma rápida fuga dos mercados financeiros da cidade, derrubar os preços dos imóveis e levar empresas internacionais a reavaliar sua presença no território, dizem analistas.

A imagem de Hong Kong como um centro financeiro cosmopolita poderia sofrer danos irreparáveis, assim como o conceito de “um país, dois sistemas” que sustentou o sucesso da cidade desde a devolução do território em 1997.

Ao mesmo tempo, a China enfrentaria sanções econômicas dos EUA e da Europa, um movimento pró-independência incentivado por Taiwan e maiores riscos financeiros para empresas que dependem de Hong Kong como porta de entrada para investidores internacionais – tudo isso enquanto o governo chinês trava uma batalha comercial com Donald Trump e enfrenta a mais lenta expansão econômica desde que o investimento estrangeiro despencou depois dos eventos da Praça da Paz Celestial.

As consequências seriam tão graves que a maioria dos analistas entrevistados pela Bloomberg News descreveu a intervenção militar como um cenário altamente improvável – um último recurso que o presidente chinês Xi Jinping só consideraria se os manifestantes saíssem do controle da polícia local e pusessem em dúvida o domínio da China sobre o território.

“É improvável que Pequim use o EPL para reprimir os protestos antes de sentir que esgotou todas as outras ferramentas à sua disposição”, disse Euan Graham, ex-analista de Ásia do escritório de Relações Exteriores do Reino Unido, agora diretor executivo de pesquisa e divulgação na Universidade La Trobe, na Austrália.

“No entanto, por mais que Xi Jinping tema o caos dentro das fronteiras da China e que o uso do EPL seja legítimo em sua visão, acima de tudo ele não quer ter a mancha de outro massacre da Praça da Paz Celestial.”