Novo mural de Banksy aparece na cidade inglesa de Dover

Desde o referendo sobre o Brexit de 23 de junho, Banksy, comprometido com diferentes causas através de sua arte, tinha permanecido em silêncio

Londres – Um mural de Bansky sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) apareceu nesta segunda-feira na fachada de um edifício da cidade inglesa de Dover, na primeira manifestação do misterioso artista britânico sobre o “Brexit”.

Seus representantes confirmaram hoje a autenticidade da obra, que mostra um trabalhador em uma escada sobre a qual trata de eliminar com um martelo uma das estrelas douradas da bandeira azul comunitária.

O mural pode ser visto na fachada do edifício “Castle Amusements” de Dover, situado junto ao terminal do ferryboat que une o Reino Unido com a França pelo Canal da Mancha, ao sul de Inglaterra.

Segundo os meios britânicos, as estrelas da União Europeia representam os “ideais de unidade, solidariedade e harmonia entre os povos da Europa”.

A estrela que o trabalhador tira na obra de Banksy corresponde ao Reino Unido, cuja primeira-ministra, a conservadora Theresa May, iniciou um complicado processo negociador com seus parceiros comunitários para estabelecer os termos desta separação.

Desde o referendo sobre o “Brexit” de 23 de junho, Banksy, comprometido com diferentes causas através de sua arte, tinha permanecido em silêncio, mas esta manifestação ocorre em um momento de aumento das tensões entre Londres e Bruxelas.

Mural sobre o Brexit de Banksy na cidade de Dover, dia 07/05/2017 Mural sobre o Brexit de Banksy na cidade de Dover, dia 07/05/2017

Mural sobre o Brexit de Banksy na cidade de Dover, dia 07/05/2017 (Hannah McKay/Reuters)

A questão da saída de Reino Unido também se tornou o tema central das eleições gerais antecipadas convocadas por May para 8 de junho, nas quais parte como grande favorita para se manter à frente do Governo britânico.

A escolha de Dover por Banksy não parece casual, pois além de olhar diretamente ao continente europeu, conecta seus ferrys com a localidade francesa de Calais, onde o artista já pintou um mural em seu campo de refugiados em 2015.

Aquela obra mostrava o fundador de Apple, o falecido Steve Jobs, já que seu pai biológico tinha sido um imigrante sírio.

Um ano depois, Bansky voltou a se pronunciar sobre este tema com outro mural na embaixada francesa em Londres, com o qual denunciou o uso de gases lacrimogêneos contra os refugiados do campo de Calais.