Noruega rejeita pedido dos EUA para destruir armas sírias

País argumentou que não tem condição de realizar o trabalho pois não possui funcionários, equipamentos e regulamentos

Oslo – A Noruega rejeitou nesta sexta-feira um pedido dos Estados Unidos para ajudar a destruir as armas químicas da Síria, argumentando que não tem condição de realizar o trabalho pois não possui funcionários, equipamentos e regulamentos.

Os EUA pediram no mês passado à Noruega, país-membro da Otan, para ajudar a destruir o arsenal químico da Síria, como parte de um acordo mediado entre Washington e Moscou após um ataque em 21 de agosto nos arredores de Damasco que matou 1.400 pessoas. Outros países também foram solicitados a ajudar.

O Ministério das Relações Exteriores norueguês disse que o país realizou uma “consideração séria e profunda” após o pedido dos EUA, mas não está capacitado a aceitá-lo “devido a limitações de tempo e a fatores externos, tais como exigências de capacitação e requerimentos regulatórios.” Na quarta-feira, o novo chanceler Boerge Brende disse em entrevista coletiva que a Noruega não tinha os equipamentos necessários e que a lei norueguesa proíbe o armazenamento dos resíduos.

Isso significa que outros países primeiro teriam que garantir a importação e armazenamento dos produtos químicos destruídos após terem sido tratados na Noruega, disse ele.

A Noruega poderia usar uma unidade de destruição móvel dos EUA, mas o frio do inverno seria uma desvantagem, disse ele.