Netanyahu tenta conter declarações polêmicas sobre Esplanada

Netanyahu reafirmou no sábado o compromisso de manter o "status quo" no local, sagrado tanto para judeus como para muçulmanos

O gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, advertiu nesta segunda-feira alguns integrantes do governo depois que um deles afirmou que “sonha” em ver a bandeira de Israel hasteada na Esplanada das Mesquitas.

Netanyahu reafirmou no sábado o compromisso de manter o “status quo” no local, sagrado tanto para judeus como para muçulmanos.

A política reafirmada no sábado “não mudou” e o primeiro-ministro “explicou claramente que espera que todos os membros do governo atuem da maneira correspondente”, afirma um comunicado oficial.

A advertência foi uma reação às polêmicas declarações da ministra adjunta das Relações Exteriores, Tzipi Hotovely, de que “sonha” em ver a bandeira israelense tremulando na Esplanada.

“Acredito que ali está o coração da soberania israelense, a capital de Israel, o local mais sagrado do povo judaico, e sonho em ver um dia uma bandeira israelense tremulando no Monte do Templo”, disse a um canal de televisão, usando o nome que os judeus atribuem à Esplanada das Mesquitas.

Hotovely também reivindicou o direito dos judeus a rezar no local.

As declarações foram feitas em meio aos incidentes dos últimos dias entre israelenses e palestinos, provocados pela disputa sobre quem pode rezar no local sagrado e que deixou vários mortos.