Netanyahu: Conselho de Direitos Humanos da ONU é hipócrita

Primeiro-ministro reagiu à abertura de investigação internacional sobre as consequências das colônias israelenses na Palestina

Jerusalém – O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, chamou de “hipócrita” o Conselho de Direitos Humanos da ONU, por ter dado sinal verde, nesta quinta-feira, à criação de missão de investigação internacional sobre as consequências das colônias israelenses no “território palestino ocupado, inclusive em Jerusalém Oriental” – uma resolução saudada como “vitória” pelos palestinos.

“Este Conselho, com maioria automática hostil a Israel, é hipócrita e deveria se envergonhar”, lamentou Netanyahu em nota divulgada por seu gabinete.

“Foram tomadas 91 decisões, 39 delas relativas a Israel, com três referentes à Siria e uma ao Irã. Basta ouvir o representante sírio falar sobre direitos humanos para compreender até que ponto este Conselho está longe da realidade”, destacou.

“Trata-se mais uma vez de decisão surrealista armada por um Conselho que, em vez de defender os direitos humanos, vem sendo instrumento de iniciativas politizadas em sentido único”, denunciou por sua vez o Ministério das Relações Exteriores de Israel.

Os 47 Estados membros do Conselho aprovaram por 36 votos a favor, 1 contra e 10 abstenções uma resolução apresentada pelos palestinos, decidindo o envio de uma “missão de investigação internacional independente (…) para avaliar as consequências das colônias israelenses nos direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais do povo palestino”.

Para os palestinos, “a nova decisão internacional representa vitória para sua causa, na medida em que apoia os direitos palestinos contra a ocupação e colonização israelenses”, estimou Nabil Abu Rudeina, porta-voz do presidente Mahmud Abbas.

“Esta posição envia uma séria mensagem da comunidade internacional a Israel, a de que a colonização é ilegal e deve cessar totalmente”, disse ele à AFP.

Mais de 310.000 colonos israelenses vivem na Cisjordânia e outros 200.000 em bairros de Jerusalém Oriental, ocupada e anexada desde 1967.