Na Venezuela, população destrói estátua de Chávez. Veja vídeo

Ação ocorreu na última sexta-feira durante um protesto contra o governo do atual presidente Nicolás Maduro, no noroeste da Venezuela

São Paulo – Um vídeo que mostra um grupo de manifestantes destruindo uma estátua do ex-presidente Hugo Chávez, morto em 2013, viralizou e provocou reações de internautas dentro e fora da Venezuela.

A ação ocorreu na última sexta-feira durante um protesto contra o governo do atual presidente Nicolás Maduro, na cidade de Rosario de Perijá, a 800 quilômetros da capital Caracas.

A população da cidade protestava contra a convocação de Maduro de uma Assembleia Constituinte, que aprofundou ainda mais a crise política enfrentada pelo país.

No vídeo, é possível ver os manifestantes jogando a estátua de Chávez diversas vezes no chão, enquanto outras pessoas gritam palavras de incentivo.

A estátua mostrava o ex-presidente vestindo a faixa presidencial enquanto fazia uma saudação militar. A sua destruição aconteceu depois de um embate entre manifestantes e policiais. Veja o vídeo.

Crise política

O protesto na cidade de Rosario de Perijá é mais um episódio da série de manifestações que o governo de Maduro tem enfrentado desde o começo de abril. Essas demonstrações causaram a morte de 38 pessoas e deixaram mais de 700 feridos.

A oposição venezuelana acusa Maduro de promover uma “fraude institucional” ao convocar uma Assembleia Nacional Constituinte, e afirma que o presidente quer provocar eleições presidenciais antecipadas. Entenda mais sobre a Constituinte convocada por Maduro.

Já Maduro afirma que não há outra alternativa para o país voltar a atingir a paz senão pela Constituinte, e acusa seus opositores de tentarem um “golpe de Estado” contra seu governo.

Além da onda de protestos planejada por seus opositores, Maduro também enfrenta problemas com outros países que desaprovam as medidas tomadas pelo seu governo.

Na Organização dos Estados Americanos (OEA), uma reunião foi convocada para discutir a crise na Venezuela. Diante disso, o governo anunciou sua intenção de deixar a organização.