Bancos de investimento têm seu melhor ano na Ásia

Atividade econômica acelerada da região permitiu desempenho recorde das instituições. Compra de companhias foi o que mais cresceu

Os bancos de investimento tiveram, em 2005, seu melhor ano na Ásia, devido ao volume sem precedentes de investimentos privados na região, como fusões e aquisições. Sustentadas pela aceleração econômica, as instituições financeiras obtiveram uma receita superior a 7 bilhões de dólares na região a maior já registrada na Ásia, segundo o jornal britânico Financial Times.

A fatia da região no faturamento mundial dos bancos de investimento dobrou entre 1997, período da crise asiática, e 2005. Incluindo a Austrália e o Japão, essa parcela subiu de 6,6% para 13% no período, de acordo com o instituto de pesquisas Dealogic. Os bancos atribuíram o forte resultado de 2005 à expansão de todos os produtos com que trabalham: fundos de private equity, fusões e aquisições, empréstimos sindicalizados, entre outros. “Nossas receitas com assessoria e underwriting cresceram 30% e 10%, respectivamente”, afirma Mike Berchtold, diretor do Morgan Stanley para a região da Ásia e do Pacífico.

Entre os tipos de operação, o maior crescimento foi registrado na área de fusões e aquisições que, historicamente, representa uma pequena parcela dos negócios dos bancos na região. Em 2005, porém, as fusões e aquisições somaram 420 bilhões de dólares na Ásia, um salto de 70% sobre o ano anterior. O desempenho foi puxado, sobretudo, pela consolidação da fusão entre os bancos japoneses MTFG e UFJ, e pela compra da Jinro, uma fabricante sul coreana de bebidas, pela Hite Brewery.