Chinesa Cnooc planeja comprar ativos remanescentes da Yukos

Empresa pode pagar cerca de 1 bilhão de dólares por operações restantes da petrolífera russa

A petrolífera China National Offshore Oil (Cnooc) confirmou que está interessada em adquirir o espólio da Yukos, cuja direção foi destituída pelo governo russo após denúncias de fraudes fiscais. Após o leilão da maior parte dos bens da Yukos, o que resta para ser vendido abrange sobretudo refinarias e oleodutos no Leste Europeu, avaliados em 1 bilhão de dólares.

De acordo com Fu Chengyu, presidente do conselho de administração e da diretoria da Cnooc, qualquer avanço nas negociações depende, agora, do apoio governamental dos dois países. Ainda não se sabe como a Rússia receberá a oferta, segundo o americano The Wall Street Journal. A China depende do petróleo exportado pelos russos para sustentar sua expansão econômica. Atualmente, o óleo bruto é transportado por ferrovias. Um exemplo das divergências entre os dois países é o fato de que nunca se chegou a um acordo para a construção de um oleoduto entre ambos.

Um dos principais adversários políticos do presidente russo Vladimir Putin, o ex-proprietário da Yukos, Mikhail Khodorkovsky, foi condenado em maio a nove anos de prisão por crime fiscal. Desde que o governo assumiu o controle da petrolífera, vem leiloando seus ativos para quitar taxas e impostos sonegados cujo montante é avaliado em 28 bilhões de dólares pelo governo.

O processo, porém, está cheio de lances duvidosos. Em dezembro do ano passado, por exemplo, a maior unidade de produção da Yukos, a Yuganskneftegaz, foi vendida por 9,37 bilhões de dólares, metade de seu valor de mercado, ao desconhecido Baikal Finance Group uma empresa fantasma, segundo The Wall Street Journal.