Inflação e divergências com Kirchner derrubam Lavagna

Roberto Lavagna, ministro da Fazenda da Argentina, renunciou a pedido do presidente Néstor Kirchner

Após quase quatro anos à frente da economia argentina, o ministro da Fazenda Roberto Lavagna renunciou nesta segunda-feira (28/11), a pedido do presidente Néstor Kirchner. Segundo o jornal argentino El Clarín, após a reestruturação da dívida pública e o fim da moratória, Lavagna e Kirchner começaram a enfrentar crescentes divergências sobre os próximos passos da política econômica. O apoio a Lavagna também foi corroído pelo insucesso no combate à inflação, que ameaça fechar o ano em dois dígitos.

O ministro permanecerá no cargo até quinta-feira (1º/12), quando será substituído pela presidente do Banco Nación, Felisa Miceli. Se a queda de Lavagna já foi uma surpresa para os analistas, a indicação de Felisa não foi menos comentada. Desde a semana passada, quando começaram as especulações sobre uma eventual troca no Ministério da Fazenda, Felisa não estava entre os mais cotados para o cargo. Ex-diretora do Banco da Província de Buenos Aires e consultora de políticas públicas, ela será a primeira mulher a ocupar a pasta da Fazenda na Argentina.

Segundo El Clarín, a mudança deve fortalecer o comando de Kirchner sobre a economia. Entre as tarefas de Felisa, estarão uma nova rodada de negociações com o Fundo Monetário Internacional, o combate à inflação e o estímulo aos investimentos, a fim de que o país continue exibindo fortes taxas de crescimento.