Mulher é queimada viva no Nepal após ser acusada de bruxaria

Mulher havia sido acusada por um xamã de ser uma bruxa e de ter enfeitiçado um parente que tinha ficado doente

Katmandu – Uma mulher nepalesa de 40 anos foi queimada viva em uma aldeia do centro do Nepal sob acusações de ser uma bruxa, informou neste sábado à Agência Efe um oficial da polícia local.

Dhegani Mahato, mãe de duas crianças, morreu após ser acusada por um xamã de ser uma bruxa e de ter enfeitiçado um parente que tinha ficado doente.

A família de seu falecido marido espancou Mahato e a queimou viva na presença de uma das filhas no distrito de Chitwan, 80 quilômetros ao sudoeste de Katmandu.

Segundo a fonte policial consultada pela Efe, dez pessoas, inclusive dois xamãs e uma criança de oito anos de idade, foram detidas por envolvimento com o assassinato.

A maioria dos detidos, que foram identificados por testemunhas, tem entre 20 e 30 anos, e o mais velho tem 48.

Os vizinhos se inteiraram do fato quando Mahato já estava em chamas e era impossível salvar sua vida, segundo a imprensa local.