MSF alertou sobre bombas em hospital, mas ataque continuou

A Otan admitiu à AFP que um ataque aéreo americano pode ter atingido o hospital da MSF em Kunduz na madrugada deste sábado

O bombardeio contra o hospital da Médicos sem Fronteiras (MSF) em Kunduz, Afeganistão, prosseguiu mais de 30 minutos depois que a ONG médica avisou aos exércitos americano e afegão estava sendo atingido por projéteis, anunciou neste sábao a organização.

A MSF exige que se esclareça rapidamente as circunstâncias do ataque no qual morreram ao menos nove de seus funcionários e que pode ser obra das forças americanas.

A Otan admitiu à AFP que um ataque aéreo americano pode ter atingido o hospital da MSF em Kunduz na madrugada deste sábado.

O bombardeio, contra “pessoas que ameaçavam as forças da coalizão, pode ter provocado danos colaterais em um centro médico nas proximidades” do alvo, declarou o coronel Brian Tribus, porta-voz da missão da Otan no Afeganistão.

De acordo com o MSF, ao menos 30 pessoas estão desaparecidas desde o bombardeio.

Cidade estratégica do norte do Afeganistão, Kunduz foi reconquistada pelo Exército afegão das mãos dos talibãs na quinta-feira passada.

Kunduz foi a primeira grande cidade afegã tomada pelos talibãs desde que foram expulsos do poder, em 2001, pela invasão americana.