Movimento antigovernamental retoma os protestos na Tailândia

O movimento antigovernamental tailandês retomou os protestos para forçar a renúncia do Governo interino

Bangcoc – O movimento antigovernamental tailandês retomou nesta quarta-feira os protestos para forçar a renúncia do Governo interino e a aprovação de reformas políticas antes da realização das eleições, convocadas para 2 de fevereiro.

Várias dezenas de manifestantes se concentraram diante da sede da Polícia Nacional para reivindicar que seja acelerada a investigação sobre os incidentes entre partidários e opositores do Governo que deixaram cinco mortos em 30 de novembro.

O protesto aconteceu após vários dias de calma em Bangcoc e depois que o líder antigovernamental, Suthep Thaugsuban, convocasse ontem à noite seus seguidores a uma nova manifestação no domingo para pedir a demissão da primeira-ministra interina, Yingluck Shinawatra.

Cerca de 160 mil pessoas se manifestaram na semana passada na Casa do Governo, onde se encontra o escritório da primeira-ministra que, após dissolver o Parlamento, rejeitou abandonar o cargo que ocupa de forma interina até que seja eleito um novo Governo.

Suthep anunciou manifestações amanhã e na sexta-feira pelo centro de Bangcoc antes da manifestação do domingo, que voltará a se dirigir à sede do Executivo e que acontecerá um dia antes do início do registro de partidos e candidatos.

Os antigovernamentais exigem a formação de um “conselho popular” não eleito que reforme o sistema político antes que sejam realizadas eleições para acabar com a corrupção e erradicar o que qualificam como “regime de Thaksin”.


Thaksin Shinawatra, irmão de Yingluck, governou a Tailândia entre 2001 e 2006, quando foi deposto por um golpe militar, e desde 2008 vive exilado em Dubai, e, segundo seus opositores, dirige o Governo em favor de seus interesses.

O Puea Thai, partido com o qual Yingluck ganhou com maioria absoluta as eleições de 2011, é o principal favorito para ganhar de novo nas urnas graças ao apoio da população rural do norte e nordeste do país que se beneficiou das políticas populistas de Thaksin.

O opositor Partido Democrata, o preferido da elite e classes acomodadas da capital, adiou ontem até no sábado sua decisão sobre se participará das eleições ou as boicotará, tal como pedem os manifestantes que fazem parte de seu eleitorado tradicional.

Os “democratas” reelegeram ontem como chefe Abhisit Vejjajiva, primeiro-ministro da Tailândia entre 2008 e 2011.

Suthep foi vice-primeiro-ministro de Abhisit e abandonou sua cadeira e o partido no mês passado para liderar as manifestações, que em 25 de novembro começaram a ocupar ministérios.

A Tailândia vive uma grave crise política desde o golpe de 2006 com frequentes manifestações e protestos populares que buscam paralisar ao Governo de turno.