Moradores da região síria de Ghouta Oriental “esperam pela morte”

Ao menos 38 pessoas morreram nesta quarta-feira. No mínimo 130 morreram no distrito desde a noite de domingo, e mais de 1.550 ficaram feridas

Beirute – Os moradores da região síria de Ghouta Oriental disseram que estão esperando sua “vez de morrer” nesta quarta-feira, em meio a um dos bombardeios mais intensos de forças pró-governo na guerra sobre o enclave rebelde sitiado próximo de Damasco.

Ao menos 38 pessoas morreram nesta quarta-feira. No mínimo 130 morreram no distrito desde a noite de domingo, e mais de 1.550 ficaram feridas, disse o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, sediado no Reino Unido.

Ghouta Oriental, um distrito agrícola densamente povoado nos arredores de Damasco, é a última grande área próxima da capital ainda sob controle rebelde. Lar de 400 mil pessoas, a área está sendo assolada por forças do governo há anos.

A grande escalada nos bombardeios que é vista desde domingo, incluindo ataques aéreos, com foguetes e bombas-barril lançadas de helicópteros, se tornou uma das mais mortíferas da guerra civil da Síria, agora entrando em seu oitavo ano.

O governo sírio e sua aliada Rússia, que vem apoiando o presidente sírio, Bashar al-Assad, com seu poderio aéreo desde 2015, dizem que não visam civis, mas reagem a disparos de morteiros dos insurgentes perto de Damasco.

“Estamos esperando nossa vez de morrer. Essa é a única coisa que posso dizer”, afirmou Bilal Abu Salah, de 22 anos, cuja esposa está grávida de cinco meses do primeiro filho do casal em Douma, maior cidade de Ghouta Oriental. Eles temem que o terror dos bombardeios a faça entrar em trabalho de parto prematuramente, disse ele.

“Quase todas as pessoas que moram aqui estão morando em abrigos agora. Há cinco ou seis famílias em uma casa. Não há comida, nem mercados.”

Fotos tiradas pela Reuters em Ghouta Oriental nesta quarta-feira mostraram homens revirando os escombros de edifícios desmoronados, carregando pessoas ensanguentadas para hospitais e se escondendo em ruas repletas de destroços.

Um sistema de alerta de ataque aéreo montado pela Defesa Civil Síria, um serviço de resgate que atua em áreas da oposição, estava emitindo alertas a cada poucos minutos nesta quarta-feira, desencadeados quando aviões de guerra são avistados decolando de bases aéreas.

A Organização das Nações Unidas (ONU) denunciou os bombardeios, que atingiram hospitais e outras partes da infraestrutura civil, dizendo que tais ataques podem ser crimes de guerra.