Moon vai à Rússia para ver Putin e a Copa do Mundo

Apesar da importância econômica da Coreia do Sul, esta é a primeira vez que um presidente sul coreano vai à Rússia desde 1999

Nos bastidores da Copa do Mundo, a política internacional não para na Rússia. Nesta quinta-feira, o presidente Vladimir Putin recebe o sul-coreano Moon Jae-in para discutir cooperação econômica e a nova dinâmica política da península coreana. “A Coreia do Sul é nosso segundo maior parceiro comercial na Ásia depois da China, é importante termos uma melhor integração econômica”, afirmou Igor Morgulov, diplomata e vice-ministro de Relações Exteriores.

A visita de Moon foi um convite feito pelo próprio Putin. Apesar da importância econômica da Coreia do Sul, esta é a primeira vez que um presidente sul coreano vai à Rússia desde 1999. O convite de Putin tem relação com a crescente influência de Donald Trump na região, que após o encontro com o ditador norte coreano Kim Jong-un conseguiu abrir o caminho para uma eventual desnuclearização da península.

Para Putin, estar bem posicionado diante das movimentações que acontecem no oriente é essencial. Segundo a Coreia do Sul, esse deve ser um assunto sobre a mesa nas conversas entre Moon e Putin e que os sul coreanos esperam que o encontro possa servir como “uma chance de aumentar a cooperação estratégica rumo à paz na região”.

Mas o principal evento da Rússia em junho não fica fora da agenda. Moon foi um dos poucos líderes internacionais que aceitaram o convite de Putin para comparecer à Copa do Mundo — a chanceler alemã Angela Merkel, por exemplo, uma fã inveterada de futebol, ainda não confirmou sua presença, em razão de desentendimentos políticos com Putin.

Moon tira o sábado para ir ao estádio de Rostov, onde acompanha a partida entre Coreia do Sul contra México. Dentro de campo, os mexicanos são favoritos. Nas tribunas, Moon assuntos mais importantes a tratar que a campanha sul-coreana na Copa.