Montenegro formaliza em Washington seu ingresso na Otan

Montenegro, que tem uma população de cerca de 625.000 habitantes, controla o último trecho do mar Adriático que ainda não fazia parte da Aliança Atlântica

Washington – Montenegro formalizou nesta segunda-feira seu ingresso na Otan em uma cerimônia em Washington na qual o primeiro-ministro do país, Dusko Markovic, definiu a organização militar como “a aliança mais poderosa e exitosa da história”

O país balcânico se tornou o 29º membro da Otan, com o ingresso oficializado em um ato realizado na sede do Departamento de Estado dos Estados Unidos.

“Hoje nos transformamos em parte da aliança mais poderosa e exitosa da história”, afirmou Marcovic, que prometeu que o seu país será um aliado “forte”.

O subsecretário de Estado para Assuntos Políticos dos EUA, Thomas Shannon, felicitou Montenegro e destacou que “foi um parceiro confiável e um fornecedor de forças para missões da Otan, da União Europeia e da ONU”.

O ingresso de Montenegro na Otan representa um marco “importante” para a “visão” americana de uma “Europa livre e em paz”, acrescentou o subsecretário de Estado.

Também participou do ato o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, que salientou que “o compromisso com a Aliança é tão forte quanto sempre”.

“O ingresso de Montenegro é bom para Montenegro. É também bom para a estabilidade dos Balcãs ocidentais e é bom para a paz e a segurança nacional”, indicou Stoltenberg.

O parlamento de Montenegro aprovou no último dia 28 de abril a adesão do país como 29º membro da Otan, apesar de certa rejeição popular e de boa parte da oposição, que exige um referendo popular para ratificar esse passo.

A entrada de Montenegro na Otan acontece também em meio a tensas relações entre o Ocidente e a Rússia, que criticou a expansão da Aliança para o sudeste da Europa e lamentou a decisão de Montenegro, um aliado tradicional de Moscou.

Montenegro, que tem uma população de cerca de 625.000 habitantes, controla o último trecho do mar Adriático que ainda não fazia parte da Aliança Atlântica.

O seu ingresso representa ainda a primeira ampliação da Otan desde 2009, quando entraram dois dos seus vizinhos: Croácia e Albânia.