Ministros europeus podem intensificar sanções à Rússia

Em depoimento, ministros afirmaram que a União Europeia "continua pronta a considerar mais sanções devido à evolução da situação no solo"

Bruxelas – Ministros das Relações Exteriores europeus disseram nesta sexta-feira que estão preparados para impor sanções mais duras à Rússia dependendo de sua avaliação da atuação de Moscou na ajuda aos rebeldes no leste da Ucrânia.

A declaração dos ministro foi divulgada após o governo ucraniano afirmar que destruiu grande parte de um comboio de veículos blindados que atravessaram a fronteira russa em direção à Ucrânia na noite da quinta-feira.

Apesar de autoridades da União Europeia ainda estarem reunindo detalhes do incidente, diversos ministros condenaram a incursão das forças russas em território ucraniano.

No depoimento, os ministros afirmaram que a UE “continua pronta a considerar mais sanções devido à evolução da situação no solo”.

“Eu estou muito alarmado com os relatos de que veículos militares da Rússia podem ter atravessado a fronteira nesta manhã”, disse o secretário das Relações Estrangeiras britânico, Philip Hammond. “Se houver algum funcionário ou veículo militar da Rússia no leste da Ucrânia, eles precisam ser retirados imediatamente ou as consequências poderiam ser muito sérias.”

O incidente poderia aumentar a pressão sobre os governos europeus para que expandam sanções contra a Rússia.

Os ministros das Relações Estrangeiras da UE se reuniram em Bruxelas na sexta-feira.

A União Europeia, os EUA, a Austrália, o Canadá e a Noruega já impuseram sanções contra setores inteiros da economia russa devido ao suposto apoio de Moscou aos rebeldes.

O Kremlin nega ter fornecido ajuda material para os grupos separatistas.

Alguns ministros, durante o encontro, pediram a expansão das sanções contra a Rússia, disse uma autoridade de alto escalão da UE.

“Você podia detectar, como sempre quando discutimos a questão da Ucrânia, aqueles que estão prontos para agir o mais rápido possível a favor de uma nova rodada de medidas econômicas e outros que estão mais cautelosos”, disse a autoridade.

Outros ministros pareceram querer diminuir a importância da incursão russa.

O ministro das Relações Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier, afirmou que o avanço pode representar um evento “infelizmente normal” no fronteira do leste da Ucrânia, destruída pelo conflito.

Fonte: Dow Jones Newswires.