Ministro nega que bebê com microcefalia morreu por zika

O ministro do Panamá reiterou que após o falecimento do bebê foram feitos diversos exames, entre eles o do zika, e o vírus foi encontrado no cordão umbilical

Panamá – O recém-nascido que morreu na semana passada no Panamá apresentava “múltiplas más-formações”, incluída microcefalia, e sua morte “não foi por zika“, embora as autoridades tenham detectado o vírus no cordão umbilical, garantiu nesta segunda-feira o ministro panamenho de Saúde, Javier Terrientes.

“Sabíamos que (o bebê) vinha com múltiplas más-formações incompatíveis com a vida (…) não foi uma morte por zika”, declarou o ministro em uma entrevista à televisão local, na qual precisou que os casos confirmados da doença no país são 149.

Terrientes reiterou que após o falecimento do bebê foram feitos diversos exames, entre eles o do zika, e o vírus foi encontrado no cordão umbilical, como já tinha informado na sexta-feira passada em entrevista coletiva a diretora de Saúde, Itza Barahona de Mosca.

O ministro também sustentou que a mãe da vítima não foi diagnosticada com o vírus, algo normal em 80 % dos casos, já que a maior parte das pessoas que pega o vírus não desenvolve sintomas.

De acordo com a informação oficial, o bebê nasceu de forma prematura, com 31 semanas de gestação, na quinta-feira, e sobreviveu por apenas quatro horas.