Milhares protestam na Venezuela contra reforma da Constituição

Os manifestantes saíram de sete pontos de Caracas e seguiram pacificamente, mas encontraram forças de segurança pelo caminho

Caracas – Sob o lema “Nosso escudo é a Constituição”, milhares de pessoas contrárias ao governo de Nicolás Maduro marcharam hoje até a sede do Tribunal Supremo de Justiça, no centro de Caracas.

O protesto é uma resposta à tentativa do governo venezuelano de reformar a Constituição por meio de uma Assembleia Constituinte.

Os manifestantes saíram de sete pontos de Caracas e seguiram pacificamente, mas encontraram forças de segurança pelo caminho.

“São milhares de pessoas que estão nas ruas defendendo a Constituição”, disse o dirigente da oposição e ex-candidato à presidência Henrique Capriles.

“A Venezuela que quer soluções se mobiliza sem medo. Quem tem medo é o opressor, porque sabe que a razão e a verdade pertencem a quem resiste e que, no final, estas irão prevalecer.”

Diversas áreas da capital venezuelana foram tomadas hoje por centenas de guardas nacionais e policiais. Estações de metrô foram fechadas por segurança.

Desde o fim de março, quando se iniciaram os protestos, forças de segurança bloquearam todas as mobilizações opositoras próximas à sede do governo.

As manifestações voltaram a ocorrer após Maduro ter convocado, no dia 1º de maio, uma Constituinte para reformar a Carta fundamental do país, posta em vigor por Hugo Chávez em 1999.

Para a oposição, convocar uma Constituinte representa uma manobra de Maduro para postergar eleições de governadores e prefeitos deste ano e também as presidenciais em 2018.

Com isso, Maduro evitaria uma derrota nas urnas diante do crescente descontentamento com seu governo em meio à forte crise interna.

Já o presidente venezuelano alega que a nova Constituição buscará ampliar o sistema judicial, promover novas formas de democracia participativa e garantir a defesa da soberania e integridade da nação.

A convocação da Assembleia Constituinte foi contestada por vários países da região e organizações humanitárias, além do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro.

As manifestações no país já deixaram pelo menos 38 mortos, 700 feridos e centenas de pessoas detidas.

Fonte: Associated Press