Milhares fogem de conflito entre Líbano e sírios

Agências de notícias estatais do Líbano disseram que os rebeldes estão saqueando casas e lojas em Arsal

Labweh, Líbano – Milhares de civis libaneses e refugiados sírios fugiram da cidade de Arsal, na fronteira entre os dois países, nesta segunda-feira, após o exército do Líbano atacar a região, que havia sido invadida por militantes da Síria.

Agências de notícias estatais do Líbano disseram que os rebeldes estão saqueando casas e lojas em Arsal.

Um morador das redondezas da cidade disse à Associated Press que os milicianos cometiam “atrocidades” e atiravam em pessoas em sua tentativa de fuga.

“Os rebeldes se sentem protegidos pelos civis aqui”, disse o morador, confirmando a existência de saques e do uso de casas de civis como postos militares pelos rebeldes.

O Exército libanês informou que 10 soldados morreram no domingo e agentes de segurança afirmam que outros dois foram mortos durante a madrugada.

Um paramédico libanês disse à Associated Press que entre os mortos estavam quatro oficiais do exército, incluindo dois tenentes-coronéis.

O combate entre libaneses e sírios teve início com a expansão da violência da guerra civil na Síria para dentro das fronteiras do país vizinho.

A comunidade internacional teme que o Líbano, pequeno país da Ásia Ocidental, se torne um novo palco para o conflito sírio, que chega ao seu terceiro ano.

O governo libanês enviou reforços para a região, incluindo dezenas de veículos blindados e tanques.

Os três dias de embate em Arsal, cidade dominada por sunitas e cercada por vilas xiitas, podem acirrar as tensões sectárias no Líbano.

O governo sírio, que luta contra o avanço de uma insurreição de maioria sunita, tem o apoio do grupo de militantes xiitas Hezbollah.

O comandante do Exército libanês, Jean Kahwaji, disse no sábado que os combatentes sírios em Arsal pertenciam a grupos terroristas sunitas, sem especificar quais.

Para Kahwaji, o combate é “mais sério do que algumas pessoas imaginam”. Ele pediu que os políticos libaneses mostrem seu apoio inequívoco aos militares. Fonte: Associated Press