Mergulhadores britânicos dizem aliviados após resgate na Tailândia

As condições de mergulho eram extremamente desafiadoras, estamos felizes com o desfecho bem-sucedido, disse um mergulador

Londres – Mergulhadores britânicos envolvidos no resgate sem precedentes de 12 meninos de uma caverna inundada na Tailândia disseram nesta sexta-feira que não são heróis, mas que estão simplesmente felizes por suas habilidades especializadas terem sido úteis.

Todos os 12 meninos do time de futebol de adolescentes e seu técnico de futebol de 25 anos foram resgatados ao longo de uma operação de três dias organizada pela Marinha tailandesa e uma equipe internacional de especialistas em mergulho em cavernas, incluindo 11 do Reino Unido, que terminou na terça-feira.

“Se somos heróis? Não”, disse Rick Stanton, um dos dois mergulhadores britânicos que encontraram os garotos.

“Só estamos usando um conjunto de habilidades muito específicas que normalmente usamos para nosso próprio interesse, e às vezes podemos usá-las para devolver algo à comunidade”, disse Stanton, de Coventry, no centro da Inglaterra, a repórteres no aeroporto Heathrow, em Londres.

Os meninos e seu técnico entraram na caverna de Tham Luang, na província de Chiang Rai, no norte tailandês, no dia 23 de junho para um breve passeio após um treino quando uma chuva sazonal intensa inundou os túneis.

Stanton e John Volanthen os encontraram nove dias depois, em 2 de julho, encolhidos em um monte enlameado de uma câmara inundada a quatro quilômetros de profundidade.

“Foi um alívio muito, muito grande. Inicialmente não tínhamos certeza de que estavam todos vivos, e à medida que desciam eu os contei até chegar a 13”, disse Stanton.

“Tudo em que conseguíamos pensar era como os retiraríamos, então havia alívio misturado com incerteza”, disse. “Esse é um território completamente inexplorado, sem precedentes. Nada parecido foi feito antes, então é claro que havia dúvidas, mas eu sabia que tínhamos uma boa equipe”.

Os meninos, cujas idades variam entre 11 e 16 anos, tiveram que mergulhar durante parte da jornada para fora até serem colocados em macas e içados por cordas penduradas no alto, às vezes através de túneis íngremes e rochosos.

“As condições de mergulho eram extremamente desafiadoras”, disse o mergulhador de cavernas Chris Jewell. “Estamos felizes com o desfecho bem-sucedido”.

Peter Dennis, presidente do Conselho Britânicos de Resgate em Cavernas, disse que a operação foi “um dos resgates em cavernas mais extraordinários que já vimos”.