Mau tempo impede resgate de cientistas presos na Antártida

A Autoridade Australiana de Segurança Marítima, que coordena as operações, informou que não há planos imediatos para remoção aérea das pessoas a bordo de navio

Sydney (Austrália) – O mau tempo frustrou o resgate aéreo das 74 pessoas a bordo do navio russo “Akademik Shokalskiy”, que está preso no gelo desde o dia 24 de dezembro na Antártida, informou nesta terça-feira a imprensa australiana.

As condições meteorológicas não permitiram até agora que um helicóptero decolasse do navio quebra-gelo chinês “Xue Liong”, conhecido como “Ice Dragon”, para começar a evacuação dos cientistas, apesar de uma melhora da visibilidade na região, segundo a emissora “ABC”, da Austrália.

A Autoridade Australiana de Segurança Marítima, que coordena as operações, informou que não há planos imediatos para a remoção aérea das pessoas a bordo do navio russo, depois que o resgate fracassou ontem pela baixa visibilidade e pelas péssimas condições meteorológicas no continente gelado.

O navio “Akademik Shokalskiy” está preso na calota de gelo polar a cerca de 2,7 mil quilômetros ao sul da cidade australiana de Hobart e perto da base francesa Dumont d’Urville, situada no sudeste da Antártida.

Os navios quebra-gelo chinês “Ice Dragon” e australiano “Aurora Australis” estão na região para tentar o resgate da embarcação russa, que realiza uma expedição científica na Antártida, caso haja uma melhora nas condições do tempo.

O quebra-gelo chinês chegou no domingo após uma chamada de emergência do navio russo, mas não conseguiu superar a grossa camada de gelo.

Já o “Aurora Australis” chegou próximo da embarcação russa ontem, mas teve que retornar para o mar aberto por culpa do mau tempo.