Marinha italiana toma controle de navio com 450 imigrantes

Seis homens do corpo italiano da guarda-costeira chegaram ao cargueiro em um helicóptero militar e conseguiram tomar o controle da embarcação

As autoridades militares italianas anunciaram nesta sexta-feira que tomaram o controle de um cargueiro à deriva, abandonado pela tripulação e com 450 imigrantes a bordo, em frente à costa da Calábria (sul).

Seis homens do corpo italiano da guarda-costeira chegaram ao cargueiro em um helicóptero militar e conseguiram tomar o controle da embarcação, indicou a marinha militar italiana.

Na manhã desta sexta-feira, o navio avariado se encontrava a 37 km da localidade calabresa de Crotone.

Ele transporta cerca de 450 imigrantes, homens, mulheres e crianças.

O navio “Ezadeen”, de 73 metros de comprimento e registrado em Serra Leoa, foi localizado à deriva na quinta-feira em frente a Crotone (sul).

Em seguida, as autoridades marítimas contactaram o barco, mas inicialmente ninguém respondeu, até que uma mulher, uma das imigrantes, conseguiu explicar a situação por radiotransmissor, segundo o capitão Filippo Marini, porta-voz da marinha italiana.

“Estamos sozinhos, não há ninguém, nos ajudem”, implorou esta mulher, segundo o capitão.

O cargueiro, abandonado pela tripulação e sem combustível, navegava à deriva em direção à costa italiana, onde corria o risco de colidir contra as rochas, indicou a marinha militar italiana.

A embarcação estava na manhã desta sexta-feira a 37 km de Crotone. Mas devido ao mau tempo deve atracar na noite desta sexta-feira no porto de Corigliano Calabro, bem mais ao norte, embora mais protegido, acrescentou esta fonte.

Segundo as autoridades italianas, o “Ezadeen” partiu da Turquia, mas um site especializado no acompanhamento do tráfego marítimo afirma, por sua vez, que passou pelo porto cipriota de Famagusta depois de ter abandonado o de Tartus, na Síria.

Uma nova tendência

Dois dias atrás, o mesmo helicóptero que levou os militares ao barco realizou uma operação idêntica para que a guarda-costeira tomasse o controle do “Blue Sky”, outro cargueiro abandonado por sua tripulação que tinha cerca de 800 imigrantes a bordo, procedentes da Turquia.

“Uma hecatombe foi evitada”, comemorou a marinha.

O “Blue Sky” chegou na manhã de quarta-feira a Galípoli, no sudeste da Itália, onde as autoridades atenderam centenas de clandestinos, em sua maioria sírios.

A Itália enfrenta nos últimos anos a crescente chegada de clandestinos que tentam alcançar a Europa pelo Mediterrâneo colocando suas vidas em risco. O total de pessoas que chegaram à Itália em 2014 supera as 160.000, ou seja, uma média de 450 imigrantes por dia, dos quais a metade são sírios ou eritreus.

A maioria deles viaja a bordo de botes ou velhos barcos pesqueiros procedentes da Líbia, onde o caos posterior à queda de Muanmar Kadhafi permite que os traficantes atuem livremente.

Mas a tendência atual é o recurso a embarcações maiores, como as utilizadas nesta semana, que permitem amontoar centenas de pessoas. O local de saída também parece ter mudado, já que a maioria dos barcos parece ter partido da Turquia.

Em 20 de dezembro, a guarda-costeira italiana socorreu diante da costa da Sicília, segundo a imprensa local, 800 imigrantes, em sua maioria sírios, a bordo de um cargueiro de 70 metros de comprimento, abandonado por sua tripulação, que ativou o piloto automático.

Este navio havia partido da Turquia.

A Marinha italiana foi muito solicitada nos últimos dias. Em 28 de dezembro precisou intervir para resgatar os passageiros de um ferry incendiado, um incidente que deixou 13 mortos e um número indeterminado de desaparecidos.

O ferry, o “Norman Atlantic”, que viajava da Grécia à Itália, chegou nesta sexta-feira ao porto de Brindisi, onde as autoridades marítimas e judiciais o mantém imobilizado para investigar o ocorrido.

Teme-se que mais vítimas sejam encontradas no fundo do barco onde o incêndio foi declarado.

Atualizado às 11h20.