Manifestantes pedem reformas democráticas no Bahrein

A passeata, chamada de 'Um povo que não conhece a humilhação', contou com a participação dos principais grupos opositores e transcorreu sem incidentes

Manama – Mais de vinte mil pessoas participaram nesta sexta-feira de uma manifestação em Manama, capital do Bahrein, convocada pela oposição do país para exigir reformas democráticas e a libertação dos presos durante os protestos iniciados no ano passado.

A passeata, chamada de ‘Um povo que não conhece a humilhação’, contou com a participação dos principais grupos opositores e transcorreu sem incidentes, apesar da tensão vivida nas últimas semanas com a aproximação do primeiro aniversário da revolta.

No comunicado final da manifestação, a oposição insistiu que não vai desistir de exigir reformas democráticas, reivindicação que originou um levante popular que explodiu em 14 de fevereiro de 2011.

Entre as exigências, estão a formação de um governo popular ao invés de um executivo nomeado e a criação de um sistema eleitoral justo e de um Poder Judiciário que fiscalize os políticos.

Além disso, os opositores consideram que um diálogo com as autoridades será ‘inútil e absolutamente inaceitável se todos os pedidos’ não forem respondidos pelo governo.

A comemoração do primeiro aniversário da revolta, no último dia 14, foi marcada por grandes manifestações e distúrbios nos arredores da emblemática praça Lulu, em Manama, onde a revolta começou.

O reino de Bahrein, com uma maioria xiita de 70%, foi palco no último ano de revoltas populares contra a minoria sunita que governa o país, liderada pelo rei Hamad bin Issa al-Khalifa.

Durante os protestos, dezenas de pessoas foram detidas e alguns opositores xiitas e defensores de direitos humanos foram condenados à prisão perpétua acusados de tentar derrubar o regime.