Maluquice ou lucidez? O plano de Donald Trump para dominar o espaço

Até 2020, o presidente americano quer a criação de uma "Força Espacial". Proposta ainda precisa ser aprovada pelo Congresso

São Paulo – Até 2020, o presidente americano, Donald Trump, quer que um sexto braço das forças armadas dos Estados Unidos esteja pronto para atuar. A chamada “Força Espacial” será o primeiro ramo militar a ser criado desde 1947, quando nasceu a Força Aérea americana.

O anúncio dos planos foi feito nesta semana pela gestão republicana e contou, é claro, com um tuíte de Trump para reforçar a importância dessa proposta. “Força Espacial com tudo!”, escreveu o presidente em sua rede social favorita, o Twitter.

O objetivo da medida, explicou a Casa Branca, é o de proteger os sistemas comerciais, como os satélites do Sistema de Posicionamento Global (GPS), bem como os sistemas de inteligência militar, que incluem sensores para rastrear o lançamento de mísseis.

“Infelizmente, potenciais adversários reconhecem a importância do espaço para os EUA e estão trabalhando para impedir que tenhamos acesso a esses sistemas em uma crise”, diz o documento da Casa Branca. Os adversários, no caso, são Rússia e China e as ameaças seriam suas armas antissatélite, “que podem ser ativadas nos próximos anos”, diz o texto.

A estratégia do republicano não é uma novidade. A Câmara dos Representantes tentou aprovar em 2017, já no governo Trump, uma proposta para que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos criasse uma divisão militar dedicada a combates no espaço. Na ocasião, no entanto, a Casa Branca e o secretário de Defesa, James Mattis, se opuseram à medida. Trump, agora, mudou de ideia.

A empreitada é ambiciosa e deve custar bilhões de dólares. Para se tornar realidade, no entanto, precisa ser aprovada pelo Congresso. Ainda assim, a notícia foi alvo de chacota nas redes sociais. As piadas seguiram com ainda mais força depois do vazamento de um e-mail da equipe de Trump, pedindo que as pessoas se manifestassem sobre o melhor “logo” para o novo braço militar.

Piadas à parte, a ideia de “Força Espacial” é maluquice ou lucidez? “Os EUA estão é correndo atrás”, diz a EXAME Gunther Rudzit, professor de Relações Internacionais da ESPM e especialista em segurança e defesa. “Os americanos têm uma dependência excessiva da internet, principalmente no âmbito militar, embora tenha sido isso que os colocou na vanguarda da revolução tecnológica nesta área”. Quaisquer ameaças às comunicações podem colocar em xeque essa vantagem estratégica.

“China e Rússia estão desenvolvendo capacidades para derrubar e interromper comunicações via satélite. Então, essa Força Espacial, em teoria, concentraria os esforços para proteger essa vantagem, tornando os americanos capazes de cegar seus oponentes”, diz o professor.

Ainda não há previsão sobre quando o Congresso examinará a questão, mas, para Rudzit, é bem possível que a criação deste novo braço seja aprovada, o que lançaria o mundo rumo a uma corrida espacial e a militarização do espaço. “Temo, contudo, que isso seja inevitável”, diz.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s