Mais de 25% dos sírios precisam de ajuda para sobreviver

Segundo agências da ONU, cerca de 5,5 milhões de pessoas na Síria precisa de ajuda humanitária para sobreviver após dois anos de conflito armado

Genebra – Cerca de 5,5 milhões de pessoas na Síria, mais de um quarto da população do país, precisa de ajuda humanitária para sobreviver após dois anos de conflito armado, revelaram nesta terça-feira as agências de socorro da ONU.

Dessas vítimas de violência, cerca de 3,6 milhões são deslocados internos, o que representa 1 milhão de pessoas que se viram obrigadas a abandonar seus locais de origem a mais em relação ao número que manejavam até há poucas semanas várias organizações de ajuda.

Apesar de que as necessidades são imensas, “a ajuda só está chegando a uma fração dos que precisam dela”, disse o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), Adrian Edwards.

Além das vítimas da guerra civil dentro da Síria estão o 1,1 milhão de refugiados sírios que fugiram, em grande parte, aos países vizinhos.

Segundo as estimativas realizadas até o fim de semana passado, o Líbano acolhe 376 mil refugiados sírios; a Jordânia, cerca de 370 mil; a Turquia, 261 mil e o Iraque, 118 mil; enquanto ao Egito chegaram 45 mil e outros 8 mil se encontram em diferentes países do norte da África.


O porta-voz confirmou que o governo da Jordânia decidiu fechar um de seus principais postos fronteiriços com a Síria já que nessa região houve confrontos entre as forças governamentais e rebeldes nos dois últimos dias.

No entanto, Edwards assegurou que os refugiados “estão passando por outros lugares”, após definir que só ontem à noite 1.644 chegaram à Jordânia.

Um porta-voz da Organização Internacional de Migrações (OIM), Jumbe Omari, também afirmou que, apesar do fechamento da fronteira, continua se permitindo a entrada de sírios à Jordânia e disse que, segundo a informação recebida nesta manhã de sua equipe no local, 1.624 chegaram na madrugada de hoje.

Por sua vez, o Acnur reiterou sua chamada a todas as partes do conflito para que garantam o deslocamento seguro dos comboios com ajuda humanitária para a população síria, após revelar que ultimamente vários deles sofreram atraso ou sido cancelados pela insegurança.

O órgão detalhou que desde o início deste ano, quatro comboios – o último, na semana passada – chegaram ao norte da Síria, cujo controle está em grande parte em mãos dos grupos opositores e aonde a ajuda humanitária tem grandes problemas para chegar.

O regime de Bashar al Assad não autoriza que a ajuda humanitária provenha da vizinha Turquia, o que seria mais rápido e eficaz. O governo sírio exige que a ajuda humanitária saia do interior da Síria até a região, um trajeto longo, difícil e perigoso.