Maior traficante do México foge mais uma vez

Joaquín "El Chapo" Guzmán, que estava preso havia pouco mais de um ano, escapou por um túnel de 1,5 km

São Paulo — Um dos traficantes mais poderosos e perigosos do México fugiu mais uma vez da cadeia.

Joaquín “El Chapo” Guzmán, líder do cartel de Sinaloa, estava na cadeia do Altiplano, a cerca de 90 km da Cidade do México, até algum momento após as 20h52 (horário mexicano) deste sábado, quando os carcereiros o viram pela última vez.

Segundo as autoridades do país, as câmeras da cadeia registraram a presença de Guzmán em sua cela perto do chuveiro. Ao notar que ele demorava para voltar de lá, carcereiros entraram no local, mas não o encontraram.

Túnel

Guzmán conseguiu sair de sua cela por meio de um buraco de 50 cm x 50 cm aberto dentro da cela.

O buraco levava a uma escada pela qual o traficante desceu cerca de 10 metros até chegar ao túnel principal, de mais de um quilômetro e meio de comprimento, desembocando em um imóvel em obras.

O túnel tinha iluminação, ventilação e uma moto adaptada a trilhos.

Caçada

As autoridades mexicanas imediatamente iniciaram a caçada ao traficante, impedindo que qualquer pessoa entrasse ou saísse da cadeia, fechando rodovias e até suspendendo as operações do aeroporto internacional de Toluca.

Até a manhã deste domingo, Guzmán não havia sido capturado.

Fuga e ascensão

Guzmán ascendeu ao topo da hierarquia do tráfico mexicano depois de outra fuga, também de uma cadeia de segurança máxima, em 2001. De traficante mediano, passou à liderança do cartel de Sinaloa, até que foi preso novamente há cerca de um ano e quatro meses na cidade de Mazatlán, onde vivia com sua família.

Durante os 13 anos que passou escapando, o traficante acumulou uma fortuna de mais de um bilhão de dólares, chegando a figurar na lista dos mais poderosos do mundo da revista Forbes em 2014.