Maduro derrotaria Capriles em eleições, segundo pesquisa

Caso houvesse um pleito antecipado na Venezuela, o candidato indicado por Hugo Chávez derrotaria com 50% dos votos o ex-candidato presidencial da oposição

Caracas – O vice-presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, derrotaria com 50% dos votos o ex-candidato presidencial da oposição Henrique Capriles caso houvesse eleições antecipadas no país, revelou nesta terça-feira uma pesquisa privada.

Maduro foi indicado pelo presidente Hugo Chávez no último dia 8 de dezembro como seu sucessor no caso de eleições antecipadas por motivo de saúde. O atual vice-presidente teria uma vantagem de 14 pontos em relação à Capriles, que obteria 36%, segundo a pesquisa da Hinterlaces.

A diferença entre os dois seria ainda maior quando os entrevistados foram perguntados: “Quem o senhor acredita que ganharia essas eleições presidenciais?”, sem levar em conta a preferência eleitoral.

Segundo os indagados, 56% acreditam que ganharia o atual vice-presidente, enquanto 30% indicaram a vitória de Capriles, o atual governador do estado de Miranda.

A saúde de Chávez, que permanece internado com insuficiência respiratória, abriu o debate no país sobre a possibilidade de serem convocadas eleições antecipadas.

Chávez ganhou em outubro do ano passado as eleições para o período 2013-2019, mas, por motivos de saúde, não fez o juramento ao cargo no dia 10 de janeiro, conforme obriga a Constituição.

A pesquisa da Hinterlaces foi realizada entre os dias 30 de janeiro e 9 de fevereiro, com margem de erro de mais ou menos 2,9% e um nível de confiança de 95%. De acordo com o estudo, 52% opinaram que caso Chávez não pudesse continuar no cargo, o mais conveniente para o país seria um presidente chavista, enquanto 27% afirmaram que um candidato da oposição seria a melhor escolha.

Os que não responderam a pergunta ou se manifestaram como indecisos somaram 21%. A pesquisa também indicou que 66% afirmaram que a oposição não tem condições de substituir o chavismo, enquanto 26% consideraram que sim.

Em relação à saúde do presidente, 60% pensam que Chávez vai se recuperar e voltar ao poder, 14% disseram que se recuperará, mas sem assumir suas funções e 12% não acreditam que o governante fique curado.


A Hinterlaces também divulgou uma pesquisa elaborada entre os dias 16 e 23 de fevereiro com 900 pessoas para consultar sobre a recente desvalorização da moeda local frente ao dólar.

Segundo o estudo, 60 % classificaram a medida como negativa enquanto 29% opinaram que é positiva. Os que se disseram indecisos ou não quiseram responder foram 11%.

Além disso, 61% dos consultados garantiram preferir um aumento no preço da gasolina ao invés desvalorização da moeda, que contou com o apoio de somente 16%, segundo a pesquisa.

Os que não apoiariam nenhuma das medidas somaram 10%, 11% não souberam responder e 2% apoiariam as duas.

No dia 8 de fevereiro, o governo venezuelano anunciou a desvalorização para combater o “surto inflacionário e especulativo” no país.