Maduro anuncia chegada de 300 toneladas de ajuda humanitária da Rússia

Venezuelano afirma que doações feitas pelos EUA e Colômbia, que estão bloqueadas na fronteira, são alimentos vencidos e contaminados

Caracas – O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta segunda-feira que na quarta-feira chegarão ao país 300 toneladas de ajuda humanitária procedente da Rússia, um anúncio que realiza em um momento no qual a oposição pressiona pela entrada de doações de outros países em meio à escassez de alimentos e remédios.

“Na quarta-feira chegam 300 toneladas de ajuda e assistência humanitária da Rússia, legalmente, chegam pelo Aeroporto de Maiquetía (que serve Caracas) convertidas em remédios de alto custo”, disse Maduro durante um conselho presidencial transmitido em rede obrigatória de rádio e televisão.

O presidente venezuelano indicou que esta “ajuda” foi paga pelo Executivo e acrescentou que seu governo está recebendo “assistência técnica” da ONU.

Nesse sentido, antecipou que “é possível” que nos próximos dias haja um anúncio por parte de vários “países do mundo” para oferecer seu apoio, através da ONU, à Venezuela.

Além disso, reiterou que as doações feitas pelos Estados Unidos e pela Colômbia a pedido do parlamento venezuelano, de maioria opositora, e que se encontram bloqueadas na fronteira, são alimentos vencidos e contaminados.

“A ajuda humanitária é um show, é uma armadilha para caçar bobos, nos roubam US$ 30 bilhões e nos oferecem US$ 20 milhões em comida podre, contaminada, para tentar intervir na Venezuela”, declarou, ao mesmo tempo em que pediu ao presidente colombiano, Iván Duque, e ao americano, Donald Trump, para deixarem de “loucura”.

O anúncio de Maduro acontece também no dia em que seu ministro de Comunicação, Jorge Rodríguez, informou que levará alimentos e atendimento médico à cidade colombiana de Cúcuta devido à pobreza sofrida por moradores.

Cúcuta é um dos centros de armazenamento da ajuda humanitária solicitada pelo parlamento venezuelano que Maduro se nega a aceitar por considerar que pode dar abrir passagem a uma invasão estrangeira.